Ontem, feriado da Independência nos EUA, os mercados operaram com fraca liquidez e perda de referencial de preços dos ativos. Aqui, a Bovespa encerrou com queda de 0,55% e índice em 126.920 pontos e dólar com alta de 0,68% e cotado a R$ 5,09. O ambiente político tenso continuou a pesar sobre os mercados de risco e realizações de curto prazo, em ações, houve mais liquidez. A semana curta também indicou maior prudência dos investidores.

Hoje, os mercados da Ásia terminaram o dia com comportamento misto (destaque para Seul com alta de 0,36%), Europa operando no campo negativo e tentando sinalizar leve melhora e futuros do mercado americano operando próximos da estabilidade. Aqui seria bom não perdermos o patamar de 125.000 pontos do Ibovespa, sob pena de buscar patamar ainda mais baixo, e a busca de 129.000 pontos, perdida, voltaria a se fortalecer. O petróleo em alta no mercado internacional pode ajudar Petrobras e segurar um pouco o mercado secundário de ações.

Durante a madrugada o banco central da Austrália anunciou a manutenção dos juros estáveis em 0,10%, mas também comunicou que vai começar a reduzir a flexibilização monetária (QE) já a partir do mês de setembro. Na Alemanha, as encomendas à indústria de maio encolheram 3,7%, de previsão de alta de 1%. O índice Zew de expectativas econômicas encolheu para 63,3 pontos, vindo de 79,8 pontos e o de condições atuais em alta para 21,7 no mês de julho.

Na zona do euro, as vendas no varejo de maio tiveram alta de 4,6% (previsão em +4,2%) e contra igual mês de 2020 com expansão de 9,0%. Na volta do feriado americano, os mercados terão leve ajuste negativo, mas teremos a divulgação de indicadores de atividade de serviços e composto do PMI e o ISM de serviços de Chicago. A China alertou instituições sob supervisão do PBOC (BC chinês) para não proverem serviços para empresas relacionadas com criptomoedas e o Bitcoin mostrava queda nesse início de manhã.

No mercado internacional, o petróleo WTI mostrava alta de 1,68%, com o barril cotado a US$ 76,42, na maior cotação desde 2014 e por conta do impasse na reunião da OPEP+ entre a Arábia Saudita e Emirados Árabes. O euro mostra queda para US$ 1,184 e notes americanos de 10 anos com taxa de juros de 1,433%. O ouro e a prata mostravam altas na Comex e commodities agrícolas com viés de alta na Bolsa de Chicago.

No segmento doméstico, a alta dos combustíveis anunciada pela Petrobras, a primeira da gestão Sila e Luna, surpreendeu os caminhoneiros e o governo teme maior movimentação em torno de uma greve. Já sobre o ajuste de imposto de renda proposto pelo governo, lideranças empresariais mobilizam senadores contra a pressa de aprovação pelo presidente da Câmara, Arthur Lira, já que existem muitos questionamentos.

O TCU (Tribunal de Contas da União) cobra do Governo explicações por preço mais alto da vacina Covaxin e senadores querem criar CPI sobre rachadinha envolvendo o presidente após as denúncias feitas. A FGV anunciou o índice antecedente de emprego de junho (IAEMP) com alta de 4,2 pontos para 87,6 pontos.

A agenda do dia está fraca e somente com os indicadores de atividade nos EUA. A expectativa é de Bovespa podendo tentar alguma reação, dólar ainda forte e juros em alta pelas tensões políticas.

Bom dia e bons negócios!

Alvaro Bandeira
Economista-Chefe do banco digital modalmais