Ontem a Bovespa terminou o dia com valorização de 0,70% e índice em 116.636 pontos, e dólar com alta de 0,76% e cotado a R$ 5,162. No mercado americano, comportamento misto, com o Dow Jones em queda de 0,67% e Nasdaq em alta de 0,51%. Dois fatores motivaram os investidores. De um lado, a expansão da covid-19 com mutações da doença, mas sem ser tido como mais contagioso, e de outro, a aprovação do pacote fiscal americano pelo Congresso.

Hoje os mercados da Ásia encerraram o dia com altas repercutindo essa situação, Europa começando o dia com valorizações e expectativa de acordo União Europeia e o Reino Unido e futuros do mercado americano operando no campo positivo. Aqui, apesar dos mercados irem parando, ainda é possível terminar o ano nesses quatro pregões que ainda restam em 2020 na direção dos 120 mil pontos, mas seria preciso a continuidade do fluxo de recursos.

A API divulgou os estoques de petróleo na semana anterior em alta de 2,7 milhões de barris e com isso trouxe os preços internacionais em queda. Mas a perspectiva de acordo no pós-Brexit voltou a puxar os preços nessa manhã. O BOJ (BC japonês) divulgou a ata da última reunião que ampliou a compra de ativos, e diz que vai manter a política monetária relaxada. A avaliação é que a economia está em situação grave, mas em recuperação.

Mas o que vai efetivamente mexer com os mercados além da extensa agenda do dia e a declaração do presidente Trump de que o pacote aprovado de estímulos seria uma desgraça, já que paga para imigrantes ilegais e concede somente US$ 600 aos cidadãos americanos. Trump queria pagamento de US$ 2 mil para os americanos, e pede mudanças para poder sancionar.

Na Espanha, o PIB do terceiro trimestre cresceu 16%, mas na comparação anual encolheu 9%. No mercado internacional, o petróleo WTI negociado em NY já passava para o positivo com alta de 0,01% e barril cotado em US$ 47,10. O euro era transacionado em alta para US$ 1,22 e notes americanos de 10 anos com taxa de juros de 0,92%. O ouro e a prata estavam em alta na Comex e commodities agrícolas com viés de alta na Bolsa de Chicago.

Aqui, ontem, a Câmara encerrou as votações de 2020 sem votar isenção/redução da conta de energia no Amapá e também recursos adicionais para municípios (equipe econômica aliviada), mas aprovou o texto base da atualização do câmbio, com simplificações importantes. A disputa pela sucessão na Câmara que acontece em 1/02 motivou muitas discussões e atrasou votações.

A agenda do dia é extensa, pois inclui dados dos dias de feriados do Natal. Mas destacamos aqui a nota de política monetária e o relatório da dívida pública de novembro, além do fluxo cambial na semana anterior e dados do Caged. Nos EUA, as encomendas de bens duráveis de novembro, renda e gasto pessoal e o PCE de novembro e a confiança do consumidor de Michigan; além dos pedidos de auxílio-desemprego da semana anterior.

Bom dia e bons negócios!

Alvaro Bandeira
Economista-Chefe do banco digital modalmais