Ontem a Bovespa conseguiu encerrar em alta de 0,60%, com índice em 114.850 pontos, enquanto o dólar valorizou 1,44% e cotado no fechamento em R$ 5,64, mesmo com intervenção do Bacen em operação de swap cambial pré-anunciada e operação à vista de US$ 1,06 bilhão. As Bolsas americanas com novos recordes ajudaram, com destaque para a Nasdaq com +1,05%. Petróleo fez o terceiro dia de queda.

Hoje mercados da Ásia com fechamentos em alta, Europa seguindo esse comportamento no início do dia e futuro do mercado americano com comportamento misto até aqui, mas tentando recuperação. Aqui, seria bom conseguir ultrapassar o patamar de 115 mil pontos do Ibovespa para abrir novos objetivos em 118 mil e 120 mil pontos.

Mas os investidores reagem com cautela sobre problemas com vacinação (falta de imunizantes e suspensão da vacina da AstraZeneca em diferentes países), reuniões de bancos centrais que começam a acontecer a partir de hoje (FED e Copom) e BC inglês e japonês, na quinta e sexta-feira. Ainda temos ruídos políticos que pressionam o câmbio.

Na Alemanha, o índice Zew de expectativas econômicas de março subiu para 76,6 pontos, quando o esperado era 74 pontos, o de condições atuais também foi para -61 pontos, de previsão de ficar em -61,5 pontos. Lá, Angela Merkel sofreu segunda derrota em eleições regionais, muito em função dos problemas com a covid-19. Portugal foi mais um país a suspender vacinação com imunizante da AstraZeneca.

Nos EUA, o presidente Joe Biden espera enviar 100 milhões de cheques de auxílio nos próximos 10 dias. No mercado internacional, o petróleo WTI negociado em NY mostrava queda de 1,51%, com o barril cotado a US$ 64,40. O euro era transacionado em US$ 1,194 e notes americanos de 10 anos com taxa de juros de 1,69%. O ouro e a prata tinham quedas na Comex e commodities agrícolas com desempenho negativo na Bolsa de Chicago.

Aqui, o cardiologista Marcelo Queiroga aceitou ser o novo ministro da Saúde, mas defende o isolamento e restrições de contato e não crê em tratamento precoce sem evidências científicas até aqui. Que tenha vida longa no cargo. A área econômica estima em R$ 160 bilhões as necessidades de despesas antes da aprovação da LOA (Lei Orçamentária Anual), mas depende da rápida aprovação pelo Congresso. A expectativa de aprovação da LOA é que ocorra em meados de abril, e não pode travar o governo. A PGR (Procuradoria Geral da República) recorreu da decisão que beneficiou o filho do presidente Bolsonaro, Flávio.

Na economia, a FGV anunciou o IGP-10 de março com inflação em alta e acima das previsões, com +2,99%, acumulando em 2021 +7,47% e, em 12 meses, com 31,16%, bastante afetado pela gasolina. Destacamos ainda bens intermediários com alta de 5,90%, que pode ser afetado futuramente. O IPC-S da segunda quadrissemana de março também evoluiu para 0,88%, de anterior em 0,67%.

Na agenda do dia teremos indicadores com capacidade de alterar o comportamento dos mercados. Aqui, teremos o Caged de fevereiro, e nos EUA, as vendas no varejo e produção industrial de fevereiro. Expectativa para o início do dia é de Ibovespa em alta e seguindo exterior, juros e câmbio com comportamento mais suave e viés negativo.

Bom dia e bons negócios!

Alvaro Bandeira
Economista-Chefe do banco digital modalmais