Os investidores no mundo vão esperar o noticiário proveniente da reunião de bancos centrais dos EUA, em Jackson Hole, e principalmente o discurso de Jerome Powell, que ocorre às 11h de Brasília, para adotarem postura mais firme para seus investimentos.

Ontem, a Bovespa encerrou com queda forte de 1,73%, índice em 118.724 pontos e o dólar com alta de 0,96%, cotado em R$ 5,26. Além do estresse externo com a reunião de Jackson Hole, pesaram a preocupação com as manifestações marcadas para 7 de setembro, as complicadas reformas que não andam e as pressões exercidas contra o governo. Nem mesmo o petróleo engolindo parte das perdas no mercado internacional e o minério em alta pelo terceiro dia conseguiram apagar quedas.

Hoje, os mercados da Ásia terminaram o dia com viés negativo, as Bolsas europeias sem definição esperando discursos e futuros do mercado americano antecipando momento melhor, com leve alta. Aqui, mantemos a posição de que enquanto não passarmos com consistência a faixa de 121.000/122.000 pontos do Ibovespa não teremos maiores definições. Como dito, os investidores vão aguardar discurso de Jerome Powell, buscar direção nas entrelinhas, para somente então adotar posição mais forte. O tapering assusta.

Aliás, Kaplan, do FED de Dallas, defende o anúncio do tapering para a reunião do FOMC do FED de setembro e vê menor impacto na economia do covid-19 e variante delta. Já o presidente Joe Biden promete punir os responsáveis pelas explosões em Cabul que vitimou 73 pessoas e muitos militares (12).

No mercado internacional, o petróleo WTI, negociado em NY, mostrava alta de 1,50%, com o barril cotado a US$ 68,43, muito em função de expectativa de furacão no Golfo do México. O euro era transacionado em alta para US$ 1,176 e notes americanos de 10 anos com taxa de juros em 1,34%. O ouro e a prata com altas na Comex e commodities agrícolas com comportamento misto na Bolsa de Chicago.

No segmento doméstico, a proposta de sublimite para o pagamento de precatórios tiraria a hipótese de criação de fundo. Seria usada a mesa correção do teto desde 2016 para limite o que originaria pagamentos de cerca de R$ 40 bilhões e não mais os R$ 90 bilhões estimados. Já Arthur Lira, diz que a reforma do imposto de renda só virar quando os partidos expressarem o que querem.

Bolsonaro diz que não haverá violência nas manifestações de 07/09, apelou para economia de energia e sancionou lei (com vetos) que melhora o ambiente de negócios. Já o Centrão, segundo noticiário, quer antecipar a refirma ministerial de 2022 e parece pedir a cabeça do ministro Paulo Guedes.

Mercados indefinidos neste início de manhã, mas a Bovespa pode tentar buscar recuperação, dólar ainda pressionado e juros também. A agenda do dia tem capacidade de mexer com os mercados, principalmente o noticiário de Jackson Hole.

Bom dia e bons negócios!

Alvaro Bandeira
Economista-Chefe do banco digital modalmais