Na sessão de ontem, declarações do presidente Bolsonaro de que não encaminharia o programa Renda Brasil aos parlamentares, permitiu leitura de fissura entre o presidente, seu ministro Paulo Guedes e a equipe econômica. Com isso, a Bovespa fechou em queda de 1,46%, aos 100.627 pontos (mínima do dia em 99.359 pontos), dólar em alta de 1,59% e cotado a R$ 5,715 e juros em alta. O Dow Jones terminou com valorização de 0,30% e Nasdaq com +1,73% e novo recorde de pontuação.

Hoje mercados esperando o discurso de Jerome Powell, presidente do FED, no encontro de bancos centrais de Jackson Hole, que pode sinalizar algumas mudanças na política monetária americana. Felizmente seu posicionamento ocorre logo cedo, às 10h10, horário de Brasília.

Mercados da Ásia terminaram o dia com comportamento misto (destaque para Xangai em +0,61%), Europa operando em queda nesse início de manhã, mas já afastada das mínimas e futuros do mercado americano também no campo negativo. Aqui, alertamos para a mínima recente (17/8) do Ibovespa em 98.513 pontos, que se perdida pode acelerar vendas.

Na China, durante a madrugada, foi anunciado o lucro industrial de julho em alta anualizada de 19,6%, subindo de 11,5% no mês anterior, muito pela retomada do setor automotivo. O Furacão Laura que atingiu o Golfo do México chegou a costa da Louisiana, mas perdeu força para categoria 3. E ainda nos EUA, os Republicanos vão propor pacote de estímulo fiscal menor, ao redor de US$ 500 bilhões, em temas onde existe consenso bipartidário. Na Alemanha, a expectativa é de forte crescimento do PIB no terceiro trimestre.

No mercado internacional, o petróleo WTI negociado em NY mostrava queda de 0,39%, com o barril cotado a US$ 43,22. O euro mostrava leve queda para US$ 1,18 e notes americanos de 10 anos com juros em 0,68%. O ouro e a prata tinham quedas na Comex e commodities agrícolas em altas na Bolsa de Chicago.

Aqui, a Câmara ontem aprovou texto base da Lei de Recuperação Judicial (RJ) e Falências, que pretende aprimorar. Já a equipe econômica se debruça sobre cortes de despesas para alterar o programa Renda Brasil, que o presidente deu prazo até amanhã para estar pronto. O secretário do Tesouro, Bruno Funchal, diz haver muita incerteza sobre o ano de 2021 e, por isso, a necessidade de controlar as despesas.

Na agenda do dia teremos a confiança da industrial pela FGV, mas os olhos estão voltados para os EUA com a divulgação de leitura do PIB do segundo trimestre, os pedidos de auxílio-desemprego da semana anterior e as vendas pendentes de imóveis de julho. Mas a cereja do bolo será o discurso de Jerome Powell em Jackson Hole.

Expectativa para o dia com a Bovespa absorvendo o noticiário e tentando não perder o patamar de 98 mil pontos, dólar aguardando exterior e juros pressionados (o IGP-M deve vir mais forte).

Bom dia e bons negócios!

Alvaro Bandeira
Economista-Chefe do banco digital modalmais