Esperamos que não! Que em 2021 o Executivo produza as reformas necessárias e na profundidade adequada, assim como enderece claramente o que pretende fazer em termos de ajustes nas contas públicas, nível de endividamento, etc. Do Legislativo, esperamos que vote com celeridade reformas, ajustes, concessões e privatizações; em perfeita sintonia com o Executivo. Já o Judiciário deveria facilitar e tirar obstáculos que vão acontecer no meio desse caminho e também manter sintonia com os outros dois poderes.

Não é pedir demais, basta que sigam o discurso do Almirante Barroso, quando disse que “o Brasil espera que cada um cumpra com o seu dever”. Certamente será um aprendizado doloroso, mas bem que poderiam começar a tentar desde agora. Isso feito, todo processo de ajuste seria mais fácil e investidores começariam a olhar novamente para cá. Caso contrário, vamos continuar como párias neste mundo globalizado, onde os interesses mudam num apertar de botões. Aí pode ser que sintamos saudades de 2020.

Hoje, como vínhamos alertando, os mercados foram desacelerando. Logo cedo, a Bovespa bateu a marca dos 120 mil pontos, fazendo máxima em 120.149 pontos. Mas não durou muito, assim como não durou também nos principais mercados do exterior, com a Bolsas europeias fechando em queda e o mercado americano operando em alta modesta. Aqui, oscilamos entre o positivo e negativo com ajustes de posições.

Há grande expectativa no mundo com relação à ampliação de restrições em países e regiões, principalmente com a nova variante da covid-19 descoberta em vários países. No Reino Unido, o primeiro-ministro Boris Johnson, quer vacinar milhões de pessoas rapidamente, fechou escolas até 18/1 e adotará novas ações se a situação piorar. Ainda no Reino Unido, a Câmara dos Comuns aprovou o acordo com a União Europeia, que segue para a Câmara dos Lordes

Já nos EUA, a presidente da Câmara, Nancy Pelosi, pediu que McConnell avalie a situação da população e coloque em votação no Senado a ajuda maior de US$ 2 mil, sem fazer obstrução, ao mesmo tempo, Joe Biden disse que ampliará o estímulo fiscal. Lá, o ISM da atividade industrial subiu para 59,5 pontos, quando a previsão era de 56 pontos. As vendas pendentes de imóveis é que encolheram em 2,6% em novembro, de previsto em -0,3%. Os estoques de petróleo na semana anterior encolheram 6,1 milhões de barris e a utilização das refinarias subiu para 79,4%.

No mercado internacional, o petróleo WTI negociado em NY se manteve em alta com a queda dos estoques, e operava com +0,71% e barril cotado a US$ 48,34. O euro era transacionado em alta para US$ 1,23 e notes americanos de 10 anos com taxa de juros de 0,93. O ouro e a prata com boas altas na Comex e commodities agrícolas com altas na Bolsa de Chicago. O minério de ferro é que teve mais um dia de queda na China de 1,99%, com a tonelada em US$ 159,85. Mesmo assim, alta em dezembro de 21,4% e, no ano, de 75,6%. A celulose operou em alta na China.

Aqui, a FGV anunciou que o indicador de incerteza (IIE-BR) caiu 3,5 pontos, para 142,3 pontos. O Bacen anunciou que o déficit do setor público foi de R$ 18,1 bilhões em novembro, ficando no ano com déficit de R$ 651,1 bilhões, algo como 9,55% do PIB. Gastos com juros atingiram nos onze meses R$ 288,4 bilhões (4,24% do PIB) e o déficit nominal do ano está em R$ 939,6 bilhões, equivalente a 13,82% do PIB.
A dívida bruta caiu para 88,1% do PIB, vindo no mês anterior de 90,7%.

Já o fluxo cambial até o dia 24/12 estava em US$ 4,95 bilhões, acumulando no ano saídas de US$ 24,5 bilhões. Pelo canal financeiro, a saída de dezembro estava em US$ 1,29 bilhões. O Bacen anotou ganhos em dezembro com operações de swap cambial de R$ 9,9 bilhões e a posição cambial líquida era de US$ 298,7 bilhões.

No mercado, dia de dólar com fortes oscilações até o fechamento da PTAX em R$ 5,197, mostrando queda em dezembro de 2,53% e, no ano, com +28,93%. No mercado à vista, +0,11% e cotado a R$ 5,189. No ano, o dólar valorizou 29,3%. Na Bovespa, na sessão de 28/12, os investidores estrangeiros voltaram a alocar recursos no montante de R$ 670,2 milhões, deixando o saldo de ingresso do mês em R$ 17,7 bilhões, mas com o ano com saídas líquidas de R$ 33,9 bilhões.

No mercado acionário, a Bolsa de Londres teve queda de 0,71%, Paris com -0,22% e Frankfurt com -0,31%. Madri e Milão com perdas de respectivamente 0,25% e 0,12%. No mercado americano, dia de Dow Jones com +0,24%(recorde) e Nasdaq com +0,15%%. Na Bovespa, mercado com -0,33% e índice em 119.017 pontos. No ano, valorização de 2,91%. Amanhã, não teremos pregão no Brasil e nos EUA a sessão será encurtada.

Desejo a todos os leitores uma passagem de ano tranquila e torcendo para termos um 2021 melhor!

Até a próxima segunda-feira quando retomamos.

Alvaro Bandeira
Economista-Chefe do banco digital modalmais