Não foram os bons ventos externos que chegaram por aqui para acelerar os mercados, mas bateu uma brisa leve. Novamente, os principais mercados acionários tiveram desempenho comparativamente melhor que a Bovespa, especialmente as Bolsas europeias, exceção para Frankfurt, em função da queda do nível de atividade industrial e também do tombo nas vendas no varejo.

Logo cedo, tivemos a divulgação de dados de conjuntura não tão positivos no exterior, mas com o BCE (BC europeu) reafirmando a transitoriedade da inflação dentro do grupo. Nos EUA, a nova pesquisa ADP sobre a criação de vagas pelo setor privado em agosto frustrou com 374.000 vagas, quando o previsto eram 600.000.

Na sequência, tivemos a divulgação do PMI industrial de agosto, que como todos os que já tinham sido anunciados mostrou desaceleração, caindo para 61,1 pontos, vindo de 63,4 pontos. Já o ISM de Chicago mostrou alta para 59,9 pontos, de anterior em 59,5 pontos. Todos os índices de atividade (exceção para a China) ficaram acima de 50 pontos, mostrando expansão. Também tivemos o investimento em construção, que cresceu em julho 0,3%, e os estoques de petróleo em queda na semana anterior de 7,2 milhões de barris e gasolina crescendo 1,2 milhão, com uso da capacidade de refino encolhendo para 92,47%.

Mas a tendência geral é de redução das previsões de crescimento em 2021 e também em 2022, inclusive no Brasil, por efeito de retirada de estímulos e principalmente pela variante Delta da covid-19. A OPEP+, como prevíamos, referendou o crescimento mensal da produção de petróleo em 400 mil barris, mas estendeu essa postura até o mês de dezembro, com próxima reunião marcada para o início de outubro.

No mercado internacional, função da decisão da OPEP+, o preço do óleo WTI, negociado em NY, mostrou recuperação parcial da queda e tinha recuo de 0,09%, com o barril cotado a US$ 68,44. O euro era transacionado em alta para US$ 1,1184, e notes americanos de 10 anos com taxa de juros de 1,30%. O ouro em queda e a prata em alta na Comex, e commodities agrícolas com viés negativo na Bolsa de Chicago. O minério de ferro negociado, em Qingdao, na China, é que sofreu forte tombo de 6,66%, com a tonelada sendo negociada em US$ 143,43.

No segmento doméstico, o ambiente político segue tenso, com Bolsonaro conclamando apoiadores para o Sete de Setembro, mas o opositor Lula decidiu não comparecer aos atos contra Bolsonaro no mesmo dia. Aliás, já existe uma corrente querendo transferir os atos de oposição ao Bolsonaro para 12/09. Na Câmara, foi lido o relatório da reforma Administrativa que mantém a estabilidade dos novos servidores.

O ministro Albuquerque, de Minas e Energia, disse que o risco de racionamento de energia “hoje” (aspas nossas) é zero. O ex-ministro Maílson da Nobrega diagnosticou que os empresários se cansaram de Bolsonaro, mas também é fato que a Fiesp e a Febraban deram um passo atrás no manifesto que pretendia circular. Já Paulo Guedes voltou a falar em recuperação em “V” do país, ao mesmo tempo em que cresce a corrente de economistas que discute estagflação em 2022, principalmente após a divulgação do PIB do segundo trimestre meio decepcionante. Arthur Lira quer tentar votar a reforma do Imposto de Renda ainda hoje.

O IBGE anunciou que o PIB do segundo trimestre encolheu 0,1% e, contra igual período de 2020, ficou com expansão de 12,4%. O PIB agropecuário foi o vilão da vez, com queda de 2,8%, seguido do industrial com -0,2% e salvo pelo de serviços com +0,7%. A formação bruta de capital fixo encolheu 3,6% por mudanças no repetro com plataformas. O consumo das famílias ficou estável e o do governo cresceu 0,7%, a taxa de poupança em 20,9% e a de investimento em 18,2%. O fluxo cambial até 27/08 acumulava ingresso de US$ 19,9 bilhões e o saldo acumulado de superávit na balança comercial em 2021 em US$ 52,02 bilhões.

Com base nisso, as projeções de crescimento para o ano de 2021 voltaram a retroceder e agora estão na casa de 5%. Campos Neto, do Bacen, falou que alguns choques na inflação foram mais fortes que o previsto e disseminados e que o desrespeito ao teto de gasto não é positivo para a economia.

No mercado, dia de dólar um pouco mais comportado terminando com +0,38% e cotado a R$ 5,19. No segmento Bovespa da B3, na sessão de 30/08, os investidores estrangeiros voltaram a alocar recursos no montante de R$ 614,4 milhões, deixando o saldo positivo de agosto em R$ 7,19 bilhões e ingresso líquido em 2021 de R$ 46,9 bilhões.

No mercado acionário, dia de alta da Bolsa de Londres de 0,42%, Paris com +1,18% e Frankfurt com queda de 0,07%. Madri e Milão com boas altas de respectivamente 1,64% e 0,66%. No mercado americano, dia de Dow conseguindo reverter parte da queda e fechando com -0,13% e Nasdaq com +0,33%. Na Bovespa, dia de alta de 0,52% e índice em 119.395 pontos.

Na agenda de amanhã, teremos o IPC da Fipe de agosto, a produção industrial de julho e as vendas de veículos de agosto. Nos EUA, a produtividade do trabalho do segundo trimestre e correlatos, os pedidos de auxílio desemprego da semana anterior, o saldo comercial de julho e as encomendas à indústria de julho.

Boa noite!

Alvaro Bandeira
Economista-chefe do banco digital modalmais