Bastou um período de certa tranquilidade no ambiente político para que os mercados reagissem na direção correta. A Bovespa terminou o ontem com valorização de 1,85%, aos 116.403 pontos, o dólar em queda de 0,76%, cotado a R$ 5,22 e os DIs com comportamento comedido. Nos EUA, os mercados terminaram mistos e o dólar permaneceu forte.

Hoje o início do dia indica prudência dos investidores aguardando a divulgação da inflação americana medida pelo CPI (consumidor) de agosto, que pode desacelerar em relação ao mês de julho, e sai as 9:30 horas de Brasília.

Mercados da Ásia encerraram o dia com comportamento misto (Xangai com -1,42% e Tóquio com +0,73%), Europa começando o dia também indefinida e futuros do mercado americano próximos da estabilidade. Aqui, precisamos voltar a superar o patamar de 118.000 pontos do Ibovespa para almejar atingir os 121.000, quando o mercado pode adquirir maior tração.

Como dito, os investidores esperam o CPI de agosto nos EUA para definir tendência do dia, mas miram também na elevação do teto da dívida americana, que se não for feita até o final do mês pode paralisar algumas atividades do Estado. Também avaliam o aumento da carga de impostos para empresas e pessoas físicas, além da possível elevação de alíquota sobre ganhos de capital. O programa de investimentos de Biden também está no radar.

A AIE (Agência Internacional de Energia) divulgou relatório cortando a oferta de óleo por conta do furacão IDA e outros fatores, além do novo furacão que entrou hoje no Texas e vai novamente em direção da Louisiana. No mercado internacional, o petróleo WTI, negociado em NY, mostrava alta de 0,76%, com o barril cotado a US$ 71,00. O euro era transacionado praticamente estável em US$ 1,18 e notes americanos de 10 anos com taxa de juros de 1,34%. O ouro e a prata em queda na Comex e commodities agrícolas com comportamento de alta na Bolsa de Chicago.

Aqui, ontem o presidente da Câmara, Arthur Lira, produziu tweet dizendo que a Petrobras é dos acionistas brasileiros e colocando pressão na visita de hoje do presidente da Petrobras, Silva e Luna. Isso provocou queda de mais de 1,0% nos ADRs da empresa, negociados no after market dos EUA. Portanto, pode inibir a abertura de hoje do mercado.

Na agenda do dia teremos o IBGE anunciando o volume de serviços prestados no mês de julho e falas de Campos Neto, do Bacen, e Paulo Guedes. Nos EUA, a inflação pelo CPI e durante a noite sai aquela bateria de dados de conjuntura da China referente ao mês de agosto, contendo produção industrial, vendas no varejo, investimentos em ativos urbanos, preço de residências, etc.

Expectativa para o dia de a Bovespa conseguir manter alta (mas fica complicado por Petrobras e indicador nos EUA), dólar forte e juros em queda.

Bom dia e bons negócios!

Alvaro Bandeira
Economista-Chefe do banco digital modalmais