Ontem foi daqueles dias em que todos os principais mercados acionários do mundo trabalharam no campo positivo. Aqui a Bovespa em novo recorde de pontuação mostrou alta de 2,76%, com índice em 122.385 pontos, e recordes também para os três principais indicadores do mercado americano. Apesar disso, o dólar negociado aqui continuou pressionado, fechou com valorização de 1,82% e cotado a R$ 5,40, com juros também em alta para todos os vencimentos, por conta do risco fiscal.

Hoje mercados da Ásia terminaram o dia com valorizações, com destaque para a Bolsa de Seul com +3,97% e Tóquio com 2,36%. A Europa começou o dia com altas, mas já começa a perder tração com a realização de lucros recentes nesse início de manhã. Os futuros do mercado americano nas mesmas condições, perdendo um pouco do ímpeto. Aqui, o fluxo de recursos dirigido para a Bovespa tem garantido a alta, e agora novamente dirigido para ações mais tradicionais ligadas ao segmento de commodities e bancos.

Tudo isso parece explicado não só pelo aumento do apetite ao risco por conta de juros baixos e enorme liquidez internacional, mas também pela “onda azul” democrata nos EUA e percepção de transmissão pacífica de poder, além da imunização das populações podendo acelerar a recuperação econômica e domar a pandemia.

Indicadores recentemente divulgados mostram essa recuperação. Hoje a Alemanha anunciou que a produção industrial de dezembro expandiu 0,9%, quando o previsto era +0,4%. Na zona do euro, a taxa de desemprego de novembro encolheu para 8,3%, de projeção em 8,5%. Já o presidente Donald Trump deu ontem declarações mais ponderadas, garantindo transmissão ordenada do cargo e pregando a paz e união.

Na Ásia, a montadora Hyundai conversa com a Apple para desenvolvimento de carros elétricos autônomos. No mercado internacional, o petróleo WTI negociado em NY mostrava alta de 0,59%, com o barril cotado a US$ 51,13 (afastado da máxima). O euro era transacionado em queda para US$ 1,223 e notes americanos de 10 anos com taxa de juros de 1,08%. O ouro e a prata tinham quedas na Comex e commodities agrícolas com comportamento de alta na Bolsa de Chicago.

Aqui o país ontem ultrapassou 200 mil óbitos pelo covid-19 e o número de infectados já chega a 8,0 milhões, e ainda sem grandes expectativas de imunização da população e propaganda contra do presidente, que ontem fez a primeira live do ano junto com o ministro da Saúde. Bolsonaro falou sobre voto eletrônico em 2022 (contra) e disse que apanha por ter governo de seriedade.

Já a Petrobras anunciou recorde de produção de óleo e gás em 2020, por campos mais produtivos em seu portfólio, com 2,84 milhões de BOE (barril de óleo equivalente), sendo que 66% extraído do pré-sal. Na agenda do dia, teremos indicadores com capacidade de mexer com os mercados, mas a expectativa é de Bovespa em alta e precisando de fluxo para conter realizações, dólar ainda pressionado em alta e juros também.

Bom dia e bons negócios!

Alvaro Bandeira
Economista-Chefe do banco digital modalmais