O dia está começando novamente tenso nos mercados de risco espalhados pelo mundo, e aqui não deve ser diferente.

Ontem, apesar de ser segunda-feira por conseguinte, mais tranquilo em Brasília pesa ausência de parlamentares, a Bovespa encerrou com queda de 1,66% e índice em 119.180 pontos, com dólar subindo para R$ 5,28 (fraco no exterior) e juros mais longos operando nas máximas. Motivo para tal, os investidores preocupados com o covid-19, variante delta em expansão, possibilidade de bancos centrais de países desenvolvidos anteciparem o tapering (retirada de estímulos, e por aqui crise política e fiscal).

No acumulado do ano, a Bovespa chegou a operar ontem no negativo, vindo abaixo dos 119.000 pontos do Ibovespa, mas fechou um pouco melhor, e acumula valorização no ano de somente 0,14%, ou seja, fechamos na estaca zero.

Hoje, Bolsas da Ásia fecharam negativas, mesmo quadro para as aberturas dos mercados na Europa e futuros do mercado americano também começando o dia com comportamento de queda. Aqui, o dia promete ser igualmente tenso e zona de suporte está próxima dos 117.000 pontos do Ibovespa.

No exterior, a tomada do Afeganistão pelo Talibã assustou a todos e pegou de surpresa os EUA pela rapidez de tomada de Cabul. Dirigentes de países e a ONU discutem o tema (Merkel fala com Boris Johnson do Reino Unido), sem saber ainda qual a postura da China e da Rússia.

Na zona do euro, foi anunciado o PIB do segundo trimestre em expansão de 2,0% e na comparação anual com alta de 13,6%, mas a expectativa era de +13,7%. O emprego por lá melhorou 0,5% no trimestre. Nos EUA, o presidente regional do FED de Boston disse que houve progresso com a inflação e prevê que o tapering pode ser anunciado ainda em setembro depois da reunião de bancos centrais de Jackson Hole.

No mercado internacional, o petróleo tem mais um dia de queda de 0,33% para o WTI em NY, com o barril cotado a US$ 67,07. O euro era transacionado em queda para US$ 1,117 e notes americanos de 10 anos com taxa de juros de 1,23%, em queda. O ouro e a prata em alta na Comex e commodities agrícolas com comportamento misto na Bolsa de Chicago.

Aqui, o procurador da República, Aras, comunicou que abriu investigação para apurar fala do presidente em sua live contra eleições com urnas eletrônicas. Já a CNI (Confederação da Indústria), disse ser inaceitável o novo substitutivo da reforma do imposto de renda com alíquotas majoradas para o IRPJ, CSLL e imposto retido na fonte. A Fipe anunciou o IPC da segunda quadrissemana de agosto em 1,35%, vindo de anterior em 1,18%.

Na agenda do dia, dados que podem mudar o comportamento dos mercados. Nos EUA, vendas no varejo e produção industrial de julho e falas prevista de Jerome Powell, do FED, e Kashikari, do FED de Minneapolis. Aqui, o monitor do PIB de junho e o IGP-10 de agosto.

Expectativa de Bovespa em queda no início do dia e seguindo exterior, dólar forte e juros novamente em alta.

Bom dia e bons negócios!

Alvaro Bandeira
Economista-Chefe do banco digital modalmais