Ontem a B3 ainda conseguiu encerrar seu pregão com leve alta de 0,03% e índice em 122.979 pontos, mesmo com mercados no exterior em queda. Dessa forma emplacamos o quarto pregão seguido de valorização, ainda que pequena. O dólar fechou cotado em R$ 5,25, em queda de 0,22%. Mercados americanos terminaram no campo negativo.

Hoje, a situação inverteu e os mercados caem no mundo. Na Ásia alguns países em feriado não operaram (Hong Kong e Seul), mas o fechamento foi negativo nos demais. Na Europa, o dia começou com boa queda, recuperou um pouco, mas voltou a cair para as mínimas e futuros do mercado americano também no campo negativo. Aqui, não deveríamos perder patamar próximo de 121.800 pontos, sob pena da pressão vendedora ampliar e bom mesmo só quando conseguir vazar com consistência o patamar de 123.300 pontos.

Investidores reagem a preocupação com a inflação em países, especialmente os mais desenvolvidos, com indicadores recentes assustando. A declaração de ontem do ex-secretário do Tesouro, Larry Summers, acusando o FED de perigosa complacência com a inflação colocou mais lenha na fogueira de preocupações dos investidores. Hoje, os juros do bund alemães batem a máxima em dois anos, e os gilts ingleses também, depois do anúncio da inflação ao consumidor.

A Índia anunciou que não deve exportar vacinas até outubro, ela que vem batendo sucessivos recordes de óbitos e contágio. No Japão, o governo vai expandir apoio a produção doméstica de semicondutores, com enorme dificuldade de suprimento. A União Europeia anunciou proposta tributária para grandes empresas evasão fiscal e imposto digital.

Os EUA, por sua vez, alertam para a fragilidade na cadeia de suprimentos afetando a produção. No Reino Unido, a inflação pelo CPI (consumidor) foi de 0,6% e na comparação anual com +1,5%. Na zona do euro, o CPI cresceu 1,6% na comparação anual e subiu 0,6% em abril.

No mercado internacional, o petróleo WTI, negociado em NY, mostrava queda de 1,94%, com o barril cotado a US$ 64,22. O euro era transacionado em US$ 1,22 e notes americanos de 10 anos com taxa de juros de 1,657. O ouro e a prata com quedas na Comex e commodities agrícolas também com perdas na Bolsa de Chicago.

Aqui, a MP da Eletrobrás está na pauta de hoje da Câmara para discussão e contendo todos os “jabutis em cima da árvore”. Também falta a segunda dose da vacina do covid-19 para cerca de 5 milhões de pessoas e a CPI do covid-19 deve ter seu ápice hoje com o depoimento de Pazuello, ex-ministro da Saúde, que ontem foi incriminado pelo ex-chanceler, Ernesto Araújo.

A agenda do dia é fraca de dados econômicos aqui e no exterior, mas teremos a segunda prévia do IGP-M de maio e fluxo cambial da semana anterior pelo Bacen. Nos EUA, a ata do FED no meio da tarde e estoques de petróleo e derivados pelo departamento de Energia.

Expectativa para o dia de B3 em queda seguindo exterior, dólar ainda fraco e juros em queda.

Bom dia e bons negócios!

Alvaro Bandeira
Economista-Chefe do banco digital modalmais