Os últimos dias têm sido de mercados acionários com pequenas oscilações positivas ou negativas, cambio oscilando próximo da estabilidade e juros também sem formar caminho mais visível. Isso vale também para os mercados da Europa e até para os EUA. O que tem fugido desse conceito são as commodities, com operadores preocupados com a desaceleração da economia chinesa e agora com declarações da OCDE.

Hoje a OCDE (Organização para Cooperação e Desenvolvimento Econômico) disse ver sinais de moderação no crescimento das principais economias. Isso bate de imediato nas commodities e em seguida em outros segmentos do mercado. A variante delta do covid-19 voltando a assustar e a possibilidade de bancos centrais anteciparem retiradas, são os principais vetores desse comedimento dos investidores.

Aqui, além de tudo isso, ainda temos as idiossincrasias da área política fervilhando, com o governo gastando cacife para tentar não ser derrotado no voto impresso e nas reformas que boa parte da sociedade organizada vem mostrando estar longe da ideal. Mas também preocupa as tentativas de vazar o teto de gastos e a regra de ouro que impede o governo de se endividar para cobrir gastos de custeio.

Hoje, foi dia de boa notícia nos EUA com a aprovação pelo Senado do pacote de infraestrutura de US$ 1,2 trilhão, e o texto segue para discussão e votação na Câmara. Mas a Casa Branca comemorou a aprovação e voltou a pedir que o congresso americano aprove a elevação do teto da dívida federal. Já Janet Yellen, secretária do Tesouro, disse que o Senado iniciou a maior modernização já vista na infraestrutura do país e Biden vai poder competir mais com a China na hegemonia tecnológica. O governador de NY renunciou ao cargo por 11 denúncias de assédio sexual.

No mercado internacional, o petróleo WTI, negociado em NY, mostrava boa recuperação na sessão de hoje com alta de 3,32% e barril cotado a US$ 68,69. O euro era transacionado em queda para US$1,172 e notes americanos de 10 anos com taxa de juros de 1,34%. Os notes de 3 anos tiveram demanda acima da média e o FED de NY fez operações repo reversa no montante de US$ 998,6 bilhões. O ouro e a prata com altas na Comex e commodities agrícolas com comportamento de alta na Bolsa de Chicago. Na volta das operações, em Qingdao, o minério de ferro teve queda de 5,84%, com a tonelada em US$ 162,44.

No segmento doméstico, tivemos logo cedo a divulgação da ata da última reunião do Copom que elevou a Selic em 1%, para 5,25%, sem novidades em relação ao comunicado anterior, mas dura e abrindo a possibilidade de repetir no próximo encontro. Anotou novas pressões em componentes da inflação como a bandeira tarifária, mas também avaliou retomada robusta da economia no segundo semestre. Com isso, as projeções da Selic de final de ano vão migrando para 7,5% (parece meio piso) até 8,5%, e maior incidência em 8,0%.

Também tivemos a divulgação do IPCA de julho em alta de 0,96% (anterior em 0,53%), deixando a inflação do ano em 4,76% e em 12 meses de 8,99%. Foi a maior variação para julho desde 2002, em um alerta forte de serviços indústria seguindo pressionados. Mostrou que houve alta em 8 de 9 grupos pesquisados e lata nas 16 regiões. O IBGE também anunciou o levantamento sistemático da produção agrícola, estimada em 256 milhões de toneladas de grãos, com alta de 0,8% sobre o ano anterior.

Versando sobre os precatórios, o secretário do Tesouro, Bruno Funchal, disse que adicionar previsão de dividendo social no Fundo Brasil elevaria a complexidade e que não é boa alternativa começar a excluir despesas do teto de gastos. Mas o parcelamento do precatório se aprovado vai gerar economia de R$ 33,5 bilhões. Ainda tivemos desfile na Praça dos Três Poderes do grande aparato bélico brasileiro, com direito a muita fumaça e protesto de parlamentares. Bruno Serra, do Bacen, fez coletiva e se mostrou mais duro com a política monetária e chegou a mexer com juros bolsas e câmbio.

No mercado, dia de dólar começando o dia em alta e depois revertendo, para fechar com -0,76% e cotado a R$ 5,20. No segmento Bovespa, da B3, na sessão de 06/08, os investidores estrangeiros sacaram recursos no valor de 240,3 milhões, deixando o saldo positivo de agosto em 2,15 bilhões e o ano com entradas líquidas de R$ 41,9 bilhões.

No mercado acionário, dia de alta da Bolsa de Londres de 0,40%, Paris com +0,10% e Frankfurt com +0,16%. Madri e Milão com valorizações de respectivamente 0,37% e 0,24%. No mercado americano, dia de Dow Jones com +0,46% e Nasdaq com -0,49%. Na Bovespa, dia de mercado oscilando entre positivo em negativo, para firmar queda na parte da tarde e encerrar com -0,66% e índice em 122.202 pontos.

Na agenda de amanhã teremos as vendas no varejo de junho, a primeira prévia do IGP-M de agosto e o fluxo cambial na semana anterior. Nos EUA, a inflação de julho pelo CPI (consumidor), os estoques de petróleo na semana anterior, o resultado fiscal de julho e muitos discursos de membros do FED.

Boa noite!

Alvaro Bandeira
Economista-chefe do banco digital modalmais