Hoje foi dia de mercados com boa performance em praticamente todo o mundo, mas por aqui nem tanto, exceto pela valorização do real frente ao dólar, o que de certa forma já era esperado, por conta da decisão do Copom de ontem de elevar a Selic em 0,75%, para 3,50%. Os investidores ficaram reticentes com relação ao mercado acionário, diante dos novos problemas com covid-19 e as mais recentes declarações de Bolsonaro atacando a China, nosso maior parceiro comercial.

No exterior, o BOE (BC inglês) manteve a política monetária estabilizada, o que significa juros em 0,10% e compra de ativos de 895 bilhões de libras. Segundo estimativas, o PIB do primeiro trimestre deve ter caído cerca de 1,5%, mas o segundo deve ser de recuperação forte. A inflação pode ficar um tempo acima de 2%, mas é temporária. A política deve ser mantida até atingir 2%. O BCE está preocupado com a baixa rentabilidade dos bancos e começa a discutir retirada gradual de medidas extraordinárias de apoio fiscal e monetário.

Um fator positivo para o Brasil, para mineração e siderúrgicas foi o anúncio que as reações entre a China e a Austrália pioraram e o diálogo foi interrompido na área econômica e estratégica. Isso explica, por exemplo, a forte alta do minério de ferro em Qingdao, assim como a melhora nas cotações da Vale e siderúrgicas por aqui.

Porém, nos EUA, as empresas do segmento de petróleo e farmacêutica não tiveram um bom dia. O petróleo em queda no mercado internacional derrubou cotações, enquanto as farmacêuticas foram prejudicadas por discussão sobre quebra de patente nas vacinas contra o vírus. A situação só acalmou um pouco quando Angela Merkel, da Alemanha, disse ser contra. Complementando, segundo o ministério das relações exteriores o Brasil não tem posição definida sobre o tema.

Ainda nos EUA, os pedidos de auxílio-desemprego da semana anterior encolheram 92 mil posições para 498 mil pedidos, quando o esperado era 527 mil. Por lá tivemos vários dirigentes do FED discursando. Kaplan, do FED de Dallas, afirmou que os riscos de erros nas projeções são para melhor e o desemprego pode chegar abaixo de 4% no final do ano. Já Loretta Mester, do FED de Cleveland, falou em inflação em queda em 2022, com o restabelecimento de suprimentos e a recuperação no caminho correto.

O FMI quer ampliar os direitos especiais de saque em US$ 650 bilhões, levando para plenária nos próximos meses. No mercado internacional, o petróleo WTI, negociado em NY, mostrava queda de 1,33%, com o barril cotado a US$ 64,76. O euro era transacionado em US$ 1,205 e notes americanos de 10 anos com taxa de juros de 1,567. O ouro e a prata em dia de fortes altas na Comex e commodities agrícolas em alta na Bolsa de Chicago. Convém relembrar a alta do minério de ferro em Qingdao de 4,85% na madrugada, com a tonelada em US$ 201,88.

No segmento doméstico, o ministro da Saúde, foi como esperado, mais suave em suas declarações que os anteriores, reforçando a necessidade de investir na vacinação massiva da população, o compromisso de proteger o SUS e fortalecer o sistema de saúde para atender os casos mais graves. Também disse não ter autorizado distribuir cloroquina em sua gestão. Também tivemos o anúncio de nova variante do covid-19 encontrada no Rio de Janeiro e variantes da Índia voltando a infectar população (inclusive vacinada) em Israel.

Bolsonaro é que parece ter errado na dose de tentar tirar o foco da CPI atacando a China e se posicionando contra o lockdown. A bancada do agronegócio esperneou forte, tendo Kátia Abreu como porta-voz, e o Chanceler França como mediador. A OCDE (Organização para Cooperação e Desenvolvimento Econômico) está mais próxima de ter o Brasil como membro pelas declarações de Gurría.

No mercado, dia de dólar novamente em larga queda, fechando com -1,62% e cotado a R$ 5,278. Na Bovespa, na sessão de 04/05, os investidores estrangeiros sacaram R$ 365,6 milhões, deixando maio negativo em R$ 76,9 milhões e o ano de 2021 com ingressos líquidos de R$ 19,03 bilhões.

No mercado acionário, dia de alta da Bolsa de Londres de 0,52%, Paris com +0,28% e Frankfurt com +0,17%, todas invertendo para positivo. Madri encerrou estável e Milão com alta de 0,13%. No mercado americano, dia de Dow Jones com +0,92% e Nasdaq com +0,37%. Na Bovespa, terminamos com +0,30% e índice em 119.920 pontos, em boa parte sustentada por Vale e siderúrgicas.

Na agenda de amanhã teremos a divulgação do IGP-DI de abril e as vendas no varejo de março, além da produção de veículos em abril pela Anfavea. Nos EUA, teremos o payroll de abril com a criação de vagas nos setores público e privado, a taxa de desemprego de abril e dados correlacionados e o volume de crédito ao consumidor de março.

Boa Noite!