Os mercados iniciaram o dia na banguela, como diriam os caminhoneiros, sobre solto para descer ladeira.

Ontem, a Bovespa emplacou o terceiro pregão consecutivo de queda, fechando com perda de 1,07% e aos 116.642 pontos, dólar com alta de 1,95%, cotado a R$ 5,377 e juros fazendo novas máximas. Da máxima do Ibovespa em 16/08 até a mínima de ontem, a queda representa 3,75%, sem muitas possibilidades de reação.

No exterior, a possibilidade do FED iniciar o tapering (retirada de estímulos) ainda em 2021 acelerou queda dos mercados, considerando a leitura da ata da última reunião. Isso com o temor da expansão do covid-19 e variante delta assolando o mundo. Aqui, os riscos político e fiscal forçam os mercados, com a percepção de busca de espaço no orçamento para políticas eleitorais, piorando ainda mais o quadro fiscal.

Hoje, mercados na Ásia estão tendo dia novamente ruim, sofrendo ainda com a diplomacia internacional e temor regulatório na China. Mercados da Ásia encerraram com quedas fortes e destaque para Tóquio com -1,10% e Hong Kong com -2,13%. Europa começando o dia com perdas próximas de 2,0%, mas tentando alguma recuperação e mercados futuros americanos em queda nesse início de manhã. Aqui, olho na perda do suporte em 115.000 pontos que pode acelerar vendas e levar para outra zona de suporte na faixa de 112.000 pontos.

No exterior, Biden já admite a permanência de tropas no Afeganistão além da data limite imposta de 31/08 e a Rússia vê potencial em ajudar e cooperar com o Talibã. Rotação forte nos mercados empurram o petróleo WTI em queda. O óleo estava sendo cotado, em NY, em queda de 3,27%, com o barril em US$ 63,32. O euro era transacionado em queda para US$ 1,169 e notes americanos de 10 anos com taxa de juros em queda para 1,22%, com busca por proteção. O ouro em alta e a prata em queda na Comex e commodities agrícolas com desempenho negativo na Bolsa de Chicago.

Aqui, o PSDB lançou proposta de tributação progressiva de dividendos e tem obtido adesões de parlamentares. A ideia é começar com alíquota de 10% e passar para 15% no ano seguinte, sem considerar para tal, os lucros gerados em 2021. A equipe econômica parece não querer arredar de 20% e já em 2022. Já o presidente, citou fé e crença para sair da crise, mas será preciso ir, além disso e aprovar reformas.

O presidente do STF, Fux, esteve com o presidente do Senado, Rodrigo Pacheco, e discutiram a volta do diálogo entre os poderes, mas ainda sem marcar uma data para conversas. O chefe da Casa Civil, Ciro Nogueira, também esteve com Fux, mas era uma reunião agenda com antecedência, mas que não impediu discutir esse tema. Já senadores fazem demanda, junto ao STF, para que investigue Augusto Aras, da PGR.

Na agenda do dia teremos a divulgação da segunda prévia do IGP-M de agosto e a CNI mostra a confiança da indústria de agosto. Nos EUA, sai o índice de atividade industrial de Filadélfia, os pedidos de auxílio-desemprego da semana anterior e o índice de indicadores antecedentes do Conference Board.

Expectativa de Bovespa começando em queda, dólar e juros ainda pressionados.

Bom dia e bons negócios!

Alvaro Bandeira
Economista-Chefe do banco digital modalmais