Dia positivo para o mercado acionário local e também para o câmbio, mas com o CDS (Credit Default Swap) do Brasil voltando a subir para patamar de 260 pontos, quando na semana anterior transitava abaixo de 200 pontos. No mercado americano, também tivemos reversão da queda do início da manhã para alta apenas modesta, enquanto na Europa, os principais mercados encerraram em queda.

A preocupação com o aumento da contaminação é fator de preocupação maior dos investidores, mas, ao mesmo tempo, tivemos algumas declarações positivas que acabaram mexendo com os mercados de risco. Começamos por citar declarações da presidente da Câmara americana, Nancy Pelosi, dizendo que em breve espera sentar para discutir aprovação de pacote de estímulos fiscais, ao mesmo tempo, circularam informações de que os Democratas poderiam propor estímulos da ordem de US$ 2,4 trilhões, incluindo as aéreas.

Também tivemos vários dirigentes regionais do FED falando sobre a necessidade de estímulos repetindo o mantra dos últimos dias. Já no Congresso americano, Jerome Powell (FED) e Steve Mnuchin (Tesouro) concordaram que ampliar impostos em época de pandemia não é boa ideia. Já o Brasil aparentemente pensa diferente. Kaplan do FED de Dallas acredita que o PIB do terceiro trimestre anualizado possa atingir expansão de 30%, conseguindo manter recuperação no último trimestre e chegar em 2021 ao crescimento de 3%.

Já John Williams, do FED de NY, falou sobre desemprego sem precedentes e demonstrou grande incerteza com relação ao futuro da economia. Bailey do BOE (BC inglês) é que estuda a adoção de juros negativos para o país. Nos EUA, os pedidos de auxílio-desemprego da semana anterior aumentaram 4 mil posições para 870 mil, mas a previsão era que ficassem em 850 mil pedidos. Já a venda de casas novas cresceu em agosto 4,8%, bem melhor que a prevista queda de 0,3%.

No México, o banco central reduziu juros básicos em 0,25% para 4,25%.
No mercado internacional, o petróleo WTI lutou entre o positivo e negativo para encerrar com alta de 0,75% e com o barril cotado a US$ 40,23. O euro era transacionado em alta para US$ 1,167 e notes americanos de 10 anos com taxa de juros de 0,66%. O ouro e a prata com altas na Comex e commodities agrícolas com viés mais para negativo. O minério de ferro registrou alta e 0,75%, com a tonelada em US$ 114,67.

No segmento doméstico, logo cedo tivemos a divulgação do RTI (Relatório Trimestral de Inflação) com o Bacen deixando claro que não pretende reduzir estímulos, apesar da assimetria do balanço de risco. Também confirmou que a inflação presente não assusta, mas destaca a necessidade de reformas para que a taxa de juros estrutural não suba. A previsão do PIB foi melhorada para -5%, de anterior em -6,4%. A previsão do IPCA é de alta de 2,1% em 2020 e possibilidade de estouro da meta é zero. Depois, tivemos coletiva de Campos Neto e Kanczuk do Bacen bem positivas para manutenção da Selic em 2% por muitos meses, mostrando inclusive surpresa com a recuperação entre os emergentes.

A consultoria Oxford coletou informação que o PIB dos países emergentes encolheu 15% no segundo trimestre, mas a recuperação foi desigual. A FGV anunciou que a confiança do comércio cresceu 3 pontos para 99,6 pontos.
No mercado, o dólar terminou o dia em queda de 1,75% e cotado a R$ 5,497. Na Bovespa, na sessão de 22/9, os investidores estrangeiros sacaram recursos de R$ 402 milhões, deixando o saldo de setembro mais negativo em R$ 3,79 bilhões e o ano com saídas líquidas de R$ 89,1 bilhões.

No mercado acionário, dia de queda da Bolsa de Londres de 1,30%, Paris com -0,83% e Frankfurt com -0,29%. Madri e Milão com quedas mais modestas de respectivamente 0,16% e 0,12%. No mercado americano, dia de Dow Jones com +0,20% e Nasdaq com +0,37%. Na Bovespa, dia de recuperação de +1,33% e índice em 97.012, mas na máxima chegou a esbarrar nos 98 mil pontos recém perdidos, com variação no pregão entre máxima de mínima de mais de 2.300 pontos.

Na agenda de amanhã teremos o IPC da terceira quadrissemana de setembro e o INCC (construção civil de setembro). Nos EUA, mais discursos de dirigentes do FED e as encomendas de bens duráveis de agosto.

Boa noite.

Alvaro Bandeira
Economista-Chefe do banco digital modalmais