Ontem, no finalzinho da tarde circularam notícias de uma carta escrita por Bolsonaro recuando de sua posição beligerante de sempre e principalmente das falas feitas na manifestação de 7 de setembro. O ex-presidente Temer teria sido o redator e conciliador de posições, com direito até a uma conversar com Alexandre de Moraes, ministro do STF, atacado pelo presidente na Avenida Paulista.

Os mercados abertos reagiram imediatamente, assim como os ADRs brasileiros negociados no after hour, nos EUA. A Bovespa terminou o dia com alta de 1,72% e índice em 115.360 pontos, enquanto o dólar fechou com queda de 2,06% e cotado a R$ 5,22.

Hoje, mercados da Ásia terminaram o dia com boas altas, Europa também mostra altas neste início de manhã (exceto Madri) e futuros dos EUA com valorizações. Aqui, foi positivo termos recuperado o patamar de 115.000 pontos do Ibovespa, mas resta identificar se teremos sustentação.

Investidores assimilam conversa ocorrida entre Biden e Xi Jinping, da China, com a postura suave do BCE (BC europeu) e Christine Lagarde sobre a política monetária e manutenção dos estímulos e novas medidas adotadas pelos EUA sobre combate da covid-19 e variante delta.

Na Alemanha, a inflação pelo CPI de agosto ficou estável e na comparação anual com +3,9%, dentro do previsto. No Reino Unido, a produção industrial de julho cresceu 1,2%, de previsão de +0,3%. Julho contra igual período de 2020 mostra expansão de 3,8%, mas ainda está 2,1% abaixo do período pré-pandemia.

No mercado internacional, o petróleo WTI, negociado em NY, mostrava alta de 1,66%, com o barril cotado a US$ 69,27. O euro era transacionado em alta para US$ 1,183 e notes americanos de 10 anos com taxa de juros de 1,33%. O ouro e a prata com altas na Comex e commodities agrícolas com altas na Bolsa de Chicago.

Aqui, resta ver se Bolsonaro não terá nenhuma recaída em sua posição anterior, principalmente no “cercadinho” do Alvorada, assim como fez com relação ao voto impresso e urnas eletrônicas, assunto já enterrado pelo Legislativo. Também se foi por conta de medidas populistas e gastos eleitorais. Dessa postura depende a recuperação dos mercados hoje.

A Fipe divulgou o IPC da primeira quadrissemana de setembro com desaceleração para 1,34%, de anterior em 1,44%. Na agenda teremos as vendas no varejo de julho e a inflação medida pelo PPI americano de agosto.

Expectativa para o dia de Bovespa em alta, dólar em queda e juros também.

Bom dia e bons negócios!

Alvaro Bandeira
Economista-Chefe do banco digital modalmais