O dia é de repercussão das declarações políticas de Jair Bolsonaro sobre o Brasil: País de maricas, pólvora na Amazônia, politização da vacina contra covid-19 e da tecnologia 5G chinesa. Além disso, também tivemos a declaração do ministro Paulo Guedes sobre a possibilidade de o país ir para hiperinflação.

O presidente da Câmara Rodrigo Maia respondeu enfático a tudo isso dizendo que no “meio de tudo isso existem mais de 160 mil mortes, a economia frágil e Estado às escuras”. Ou seja, em época de eleições temos muita política e nenhuma ação.

Contudo, os mercados voltaram a fechar ontem em alta, com a Bovespa em seu sexto dia de rally, com alta de 1,50% e índice em 105067 pontos (novembro com +11,8%, até ontem), mas com dólar em alta de 0,37%, cotado a R$ 5,41. No mercado americano, comportamento misto, com o Nasdaq mais uma vez em queda e forte pressão sobre a gigante Amazon.

Hoje, mercados da Ásia terminaram o dia com comportamento misto (destaque para Tóquio com +1,78%), Europa em alta, até melhorando mais e futuros do mercado americano com altas, inclusive o Nasdaq. Aqui, a Bovespa pode engatar o sétimo pregão seguido de alta, ultrapassar o patamar de 106000 pontos e mirar no objetivo novamente de 110000 pontos. No entanto, também existe espaço para algumas realizações fortes, incluindo ações líderes.

Nos EUA, dirigentes do FED voltaram a carga dizendo que a política monetária está bem posicionada, mas há necessidade de estímulos fiscais, principalmente se a pandemia piorar, como parece. O petróleo também volta a mostrar alta forte no mercado internacional, depois da API anunciar redução dos estoques na semana anterior e aguardando a divulgação do relatório mensal da OPEP.

Com a relutância de Trump em acatar o resultado das urnas, a transição para Biden vai ficando complicada, mas em coletiva dele e Kamala disseram já estar trabalhando nisso. União Europeia e o Reino Unido não devem conseguir fechar acordo comercial ainda em meados de novembro e o adiamento faz com que a libra, assim como o euro, tenha queda na sessão de hoje.

No mercado internacional, o petróleo WTI negociado em NY mostrava alta de 3,53%, com o barril cotado a US$ 42,82. O euro tinha queda para US$ 1,179 e notes americanos de 10 anos com taxa de juros em alta para 0,98%. O ouro mostrava alta e a prata queda nas negociações da Comex, enquanto as commodities agrícolas apresentavam viés de alta.

Aqui, o ministro do STF Lewandowski deu 48 horas para que a Anvisa explique a suspensão de testes com o coronavac, e Jair Bolsonaro parece aderir à iniciativa americana de boicotar a tecnologia chinesa de 5G, mais especificamente de compras da gigante Huawei. Já o IPEA mostrou que a retomada das vagas destruídas com a pandemia está sendo lenta.

A Fipe anunciou desaceleração do IPC na primeira quadrissemana de novembro para 1,16%, vindo de anterior em +1,19%. O dia reserva na agenda a divulgação das vendas no varejo em setembro pelo IBGE e o Bacen divulga o fluxo cambial na semana anterior e saídas pelo canal financeiro. Nos EUA, feriado do Dia dos Veteranos.

Bom dia e bons negócios!

Alvaro Bandeira
Economista-Chefe do banco digital modalmais