Os mercados parecem um barco sem rumo no meio da tempestade perfeita. Muita rotação de ativos, busca por proteção e comportamento completamente indefinido nos segmentos de maior risco. Logo cedo, o dia parecia que seria terrível, mas, aos poucos, foi ganhando forma alguma recuperação das mínimas atingidas, e esse quadro não se configurou na totalidade, ainda que com algumas quedas fortes, como o segmento de mineração e siderurgia, ou mesmo nova alta forte do câmbio.

No âmbito externo, todos já sabem que a covid-19 e variante Delta voltaram a assustar os países, apesar de internações e óbitos em menor escala. Mas ficou restando a desaceleração da atividade na China, mexendo com commodities, a suposição de maior regulação por lá e ainda o ambiente diplomático tenso originado pela tomada do Afeganistão pelo Talibã. Sem contar a possibilidade de tapering mais cedo que o previsto pelo FED. Aqui, o esgarçamento institucional, a crise política e econômica e as mudanças para pior nas projeções de 2022. Tudo isso permeia a percepção dos investidores.

No exterior, a OTAN convocou teleconferência extraordinária para a próxima sexta-feira para discutir Afeganistão, e Biden disse que as avaliações indicavam que o Talibã só dominaria Cabul no fim do ano. Nos EUA, os pedidos de auxílio desemprego da semana anterior encolheram 29.000 posições para 348.000, quando o previsto era que ficassem em 365.000. Os pedidos continuados caíram 79.000 posições para 2,82 milhões. Biden comemorou a queda dos pedidos de auxílio, mas citou a recuperação incompleta e que algumas regiões ainda vão precisar de estímulos.

Mas as commodities sofreram muito ao longo da sessão de hoje, com o petróleo WTI chegando a cair 4%, atingindo a menor cotação desde maio com o dólar mais forte. Esse é só um exemplo dentre muitos, com o cobre também em queda. No mercado internacional, o petróleo WTI, negociado em NY, mostrava queda de 3,30%, com o barril cotado a US$ 63,30. O euro era transacionado em queda para US$ 1,168, e notes americanos de 10 anos com taxa de juros de 1,24%. Aliás, lá se vão alguns dias que o FED de NY tem tomado operações de repo reversas acima de US$ 1 trilhão. Hoje foi mais um dia.

O ouro e a prata tinham quedas na Comex, e commodities agrícolas quase todas em queda na Bolsa de Chicago. Surpresa ainda maior para o minério de ferro, negociado em Qingdao, na China, com queda durante a madrugada de 13,5%, com a tonelada na casa de US$ 132,66, o menor nível desde novembro de 2020 e, no ano, acumulando queda de 17%.

No segmento local, grande estresse na taxa cambial e nos juros dos DIs, obrigando o Bacen a mexer nos leilões do dia. O dólar chegou a vazar a cotação de R$ 5,45, mas, no encerramento, mostrava alta de 0,80%, cotado em R$ 5,42. Na Bovespa, na sessão de 17/08, os investidores estrangeiros voltaram a alocar recursos no montante de R$ 2,05 bilhões, deixando o saldo positivo de agosto em R$ 5,69 bilhões e o ano de 2021 com entradas líquidas de R$ 45,45 bilhões.

No ambiente político, Bolsonaro assumiu que precisa de entendimento com os governadores, mas seu viés beligerante sempre atua, então teceu críticas sobre a perda de liberdade. O ministro Paulo Guedes foi menos crítico com o Mercosul que em outras oportunidades, mas defendeu a formação de acordos bilaterais, dizendo que agora o Mercosul não cumpre sua missão na totalidade. Disse que se a PEC dos precatórios não passar, vão mandar orçamento com mais R$ 90 bilhões e vai faltar recursos. Sua fala foi interpretada como chantagem pelo vice da Câmara.

O presidente do Bacen, Campos Neto, reconheceu que foi surpreendido com a inflação em serviços recentemente e que “alguns” (aspas nossas) ruídos domésticos têm grande peso nas projeções de inflação e atividade para 2022. Mas reafirmou dispor de instrumentos para alcançar a meta de inflação. Alguns economistas voltaram oportunamente com o tema da dominância fiscal, quando o Bacen sobe os juros e a inflação segue em alta.

No mercado acionário, dia de queda de 1,54% na Bolsa de Londres, Paris com -2,43% e Frankfurt com -1,25%. Madri e Milão com perdas de 0,76% e 1,63%, respectivamente. No mercado americano, o Dow Jones com -0,19% e Nasdaq com +0,11%. Na Bovespa, dia de alta de 0,45%, com o índice em 117.164 pontos, sendo que, na mínima, chegou a atingir 114.801 pontos, com forte queda de Vale (-5,71%) e siderúrgicas, dentre outras.

Boa noite!

Alvaro Bandeira
Economista-chefe do banco digital modalmais