Ontem foi dia de queda forte no mercado acionário americano, principalmente nas ações de tecnologia (Apple perdeu US$ 180 bilhões em valor de mercado), provocando estragos nas Bolsas europeias ainda abertas e também na Bovespa. Investidores perguntam se foi somente realização de lucros recentes ou se tem estouro de bolha, tese discutida desde a semana passada.

Em algumas ações sem conteúdo fundamentalista parece haver sim estouro de bolha, mas não dá para generalizar no mercado como um todo. Mas o fato é que o Dow Jones encerrou com perda de 2,78%, e o Nasdaq com -4,96%, depois de estar perdendo mais de 5,50%. A Bovespa reverteu alta da manhã e fechou em queda de 1,17%, aos 100.721 pontos, depois de ter oscilado quase 3.500 pontos entre a máxima e a mínima do dia.

Hoje mercados da Ásia ajustaram para a queda americana de ontem, principalmente nas empresas de tecnologia, Europa tentando recuperação nesse início de manhã e futuros do mercado americano com comportamento misto. Aqui, seria bem positivo não perder o patamar de 100 mil/98 mil pontos do Ibovespa e tentar buscar faixa de 104 mil pontos, mas o dia se revela complicado, não só pela divulgação do Payroll americano de agosto, como ajustes que podem ocorrer em relação aos feriados no Brasil e nos EUA, respectivamente Independência e Trabalho.

Na Alemanha, houve o anúncio das encomendas à indústria em julho, em alta de 2%, mas o previsto era expansão de 5%. O índice DXY de variação do dólar em relação a uma cesta de moedas mostrava certa estabilidade, o que pode gerar maior tranquilidade nos mercados. Joe Biden candidato à presidência dos EUA defende a igualdade racial e a disputa contra Trump deve acirrar, já que a diferença entre os dois estreitou para 7%, vindo de 12%.

No mercado internacional, o petróleo WTI negociado em NY mostrava alta de 0,94%, com o barril cotado a US$ 41,76. O euro era transacionado em queda para US$ 1,185 e notes americanos de 10 anos com taxa de juros de 0,65%. O ouro e a prata tinham altas na Comex e commodities agrícolas também com altas na Bolsa de Chicago.

Aqui, Rodrigo Maia, presidente da Câmara e o ministro Paulo Guedes, mais uma vez encerraram o diálogo e Maia diz que Guedes proibiu interlocução da equipe econômica com ele. Agora Maia falará com Luiz Eduardo Ramos. O governo também fez a entrega simbólica da reforma administrativa ontem ao Congresso. O presidente do Bacen, Campos Neto, declarou que a volatilidade cambial também preocupa (além do desequilíbrio fiscal) e diz que países que necessitam de recursos precisam buscar serem mais inclusivos e sustentáveis.

A FGV anunciou o IPC-C1, a inflação das classes de baixa renda com alta de 0,55% em agosto, vindo de 0,50% nomes anterior. Investidores aguardam a divulgação do Payroll coma criação de vagas na economia em agosto, o item mais importante da agenda, além da taxa de desemprego nos EUA. Porém, a expectativa é de mercado acionário buscando recuperação, dólar mais forte e juros em alta.

Bom dia.

Alvaro Bandeira
Economista-chefe do banco digital modalmais