As pressões da sociedade sobre o governo, cobrando mais ações no combate a pandemia, travam os mercados domésticos para uma melhor performance. O final da semana foi pródigo em retratar esse quadro e os mercados aqui começaram o dia reverberando isso. A melhora dos mercados de risco no mundo acabou por estimular um pouco o mercado local, principalmente na parte da tarde, quando foi possível observar alguma reação.

Principalmente no início do dia foi possível observar maior pressão vendedora, identificada como sendo de estrangeiros. Os treasuries americanos mais comportados na sessão de hoje fizeram contraponto com os problemas na Turquia, afetando por extensão o mercado local, já que o Brasil tem um dos maiores desequilíbrios entre os emergentes. Logo cedo, a lira turca desvalorizava mais de 16% (depois melhorou), mexendo também negativamente com os mercados da Europa. A Bolsa de Istambul chegou a acionar o circuit breaker, depois da substituição do presidente do BC turco no final de semana.

Na China, o PBOC (BC chinês) manteve a taxa referencial de juros estabilizada pelo 11º mês e o presidente Xi Jinping disse que vai trabalhar com a Coreia do Norte para preservar a paz. Aliás, a reunião de dois dias de chineses e americanos aparentemente terminou bem, depois de discutidas desavenças, sendo rotulada de substantiva. 

Tanto o BCE, como o FED, falaram sobre testes com moedas digitais.

Enquanto o BCE diz não ter pressa para implantação, Jerome Powell, do FED, disse que moeda digital tem benefícios, mas também riscos significativos. Segundo ele, seria preciso apoio do Congresso americano, do governo e do público para realizar o lançamento sem causar desestabilização da moeda física. O presidente Biden conversará com congressistas sobre os próximos passos para alívio econômico. 

Ainda nos EUA, as vendas de imóveis usados encolheram 6,6% em fevereiro, quando o previsto era -2,5%. O FED também divulgou dados de seu balanço de 2020. Os ativos totais cresceram para US$ 7,4 trilhões, com expansão em um ano de US$ 3,2 trilhões. A previsão de perdas no programa main street era de US$ 2,4 bilhões em 2020 e o FED reportou ganhos de US$ 88,7 bilhões, US$ 33,1 bilhões maior que no ano anterior.

A Alemanha prolongou o período de lockdown até 18/4. Por lá, a covid-19 anda tirando votos do partido de Angela Merkel. No mercado internacional, o petróleo WTI, negociado em NY, teve oscilações menores na sessão de hoje, mas na parte da tarde recuperou perdas do dia e mostrava alta de 0,21%, com o barril cotado a US$ 61,55. O euro era transacionado em alta para US$ 1,194 e notes americanos de 10 anos com juros em queda para 1,69%. O ouro e a prata com quedas na Comex e commodities agrícolas com viés mais para positivo. O minério de ferro negociado em Qingdao na China é que teve dia de queda de 2,71%, com a tonelada cotada em US$ 157,01. 

No segmento local, a nova pesquisa semanal Focus, do Bacen, veio com inflação subindo em 2021 para 4,71% (anterior em 4,60%), Selic também em alta para 5% e PIB com queda marginal para 3,22%. O dólar, estável no final do ano em R$ 5,30, e a produção industrial com alta em 2021 para 5,10% (de 4,69%). O superávit comercial estável em US$ 55 bilhões e déficit primário significando 3% do PIB (de 2,9%).

A Receita Federal também anunciou a arrecadação de fevereiro em R$ 127,4 bilhões, com alta real contra igual período de 4,30%. As desonerações montaram no mês em R$ 7 bilhões, acumulando no bimestre R$ 14,9 bilhões. Ainda tivemos R$ 5 bilhões de arrecadação atípica de IRPJ e CSLL. Paulo Guedes defende vacinação de vulneráveis em dois ou três meses. 

Já o relator do orçamento (LOA), mostrou emendas parlamentares que atingem R$ 22,2 bilhões e o montante condicionado a regra de ouro ficou em R$ 451,1 bilhões. No mercado, dia de dólar em alta de 0,59% e cotado a R$ 5,518, pelo estresse político.

Na Bovespa, na sessão de 18/3, os investidores estrangeiros sacaram R$ 599,9 milhões, deixando o saldo negativo de março em R$ 2,11 bilhões e o ano com ingressos líquidos de R$ 14,66 bilhões. O saldo da balança comercial até a terceira semana de março mostra superávit de US$ 1,43 bilhão.

No mercado acionário, dia de alta da Bolsa de Londres de 0,26%, Paris com -0,49% e Frankfurt com +0,25%. Madri em queda de 1,76% e Milão com +0,26%. No mercado americano, dia de Dow Jones com +0,32% e Nasdaq com +1,23%. Na Bovespa, queda de 1,07% e índice em 114.978 pontos, e na mínima, chegou a 113.619 pontos. 

Na agenda de amanhã teremos a ata da reunião do Copom que elevou a Selic em 0,75%, o IPC-S da terceira quadrissemana de março e a confiança do consumidor de março. Nos EUA, muitos discursos de dirigentes regionais do FED (incluindo o presidente) as vendas de casas novas e atividade industrial de Richmond de março.

Boa noite.

Alvaro Bandeira
Economista-Chefe do banco digital modalmais