Os investidores lutam com preocupações, com a expansão da variante delta do covid-19 e possível quarta onda de contágio, além da inflação em alta em praticamente todo o mundo e da postura dos bancos centrais com relação à retirada de estímulos monetários. Mas a expectativa para o segundo semestre com recuperação forte das economias e resultados de empresas seguem bem positivas.

Ontem a Bovespa teve dia de queda de 0,41%, com o índice em 126.801 pontos e dólar em alta de 0,63%, cotado a R$ 4,97, enquanto os mercados da Europa encerraram com quedas e o mercado americano com comportamento misto.

Hoje, os mercados da Ásia terminaram o dia com quedas brandas, Europa começando com boas altas e espelhando expectativa de indicadores de conjuntura positivos, e futuros do mercado americano com comportamento novamente misto. Aqui, temos muito trabalho para recuperar o patamar de 130.000 pontos do Ibovespa (ou mais), por conta dos problemas políticos, alta da inflação e muitos ruídos sobre a reforma tributária que está apenas no começo.

O dia está sendo marcado pela divulgação de indicadores PMIs da atividade industrial em diferentes países para o mês de junho. Começando pela China, com queda do PMI industrial para 51,3 pontos e vindo de 52 pontos, Japão com queda para 52,4 pontos, zona do euro com alta para 63,4 pontos em novo recorde e Alemanha com alta para 65,1 pontos, maior que o previsto. O Reino Unido mostrou contração do PMI industrial para 63,9 pontos, mas todos acima de 50 pontos, o que indica expansão da atividade.

Na Alemanha tivemos a divulgação das vendas no varejo de maio com alta de 4,2% e maior que o previsto. Porém, Christine Lagarde, presidente do BCE (BC europeu) advertiu sobre incertezas determinadas pela variante delta do covid-19. Já Bailey, do BOE (BC inglês), diz que vai agir com política monetária se houver sinais persistentes da inflação.

No mercado internacional, o petróleo WTI, negociado em NY, mostrava boa alta de 1,14%, com o barril cotado a US$ 74,31, em função das expectativas com a reunião de cúpula da OPEP+ marcada para hoje e com previsão de expansão da produção de óleo. O euro era transacionado em leve queda para US$ 1,186 e notes americanos de 10 anos com taxa de juros de 1,47%. O ouro e a prata tinham dia de alta nas negociações da Comex e commodities agrícolas com viés de alta na Bolsa de Chicago.

No segmento doméstico, a Câmara ontem protocolou novo pedido de super impeachment de Bolsonaro com 46 assinaturas de políticos de diferentes partidos e 271 páginas de explicações. Terão que dobrar a postura do presidente da Câmara, Arthur Lira. O governo também está vinculando o pagamento maior do Bolsa Família a obtenção de recursos com a tributação de dividendos de 20%. Já o Ministério Público e a Polícia Federal abriram investigações sobre os contratos para compra de vacinas Covaxin, com o levantamento de propina feito pela CPI do Covid-19.

A FGV anunciou o IPC-S de junho em desaceleração para 0,64%, vindo de 0,81 no mês anterior e acumulando alta da inflação em 12 meses de 829%. Também divulgou a confiança do empresário em junho com alta de 4,3 pontos, para 98,8 pontos.

Ainda vamos ter a divulgação de indicadores com capacidade de interferir no comportamento dos mercados de risco, como os pedidos de auxílio-desemprego da semana anterior nos EUA e os investimentos em construção de maio, mas a expectativa é de Bovespa operando em recuperação, dólar ainda forte e menos volátil e juros em alta.

Bom dia e bons negócios!

Alvaro Bandeira
Economista-Chefe do banco digital modalmais