Ontem os mercados acionários em todo o mundo seguiram com o rali de alta iniciado com a possibilidade de vitória de Joe Biden como presidente dos EUA. Mas também receberam reforço do sucesso no desenvolvimento de vacinas contra a covid-19 em todo o mundo e autorização emergencial, além de boa alta do preço do petróleo no mercado internacional por conta da probabilidade de maior recuperação das economias, a partir das vacinas.

Resultado disso, a Bovespa encerrou o dia com alta de 2,57% e índice em 103.515 pontos, depois ter atingido na máxima 105.146 pontos, no quinto pregão seguido de valorização, o que não acontecia desde o início de junho. O Dow Jones registrou alta ainda maior de 2,95%, enquanto o Nasdaq caiu 1,53%, pressionado pelas ações de tecnologia. Aqui, o dólar teve dia de alta de 0,30%, com a moeda fechando em R$ 5,39.

Hoje mercados da Ásia novamente com altas, exceção para Xangai com -0,40%, Europa operando com altas e futuros do mercado americano com comportamento misto, com Nasdaq novamente no negativo. Aqui, a Bovespa pode conseguir manter recuperação pelo sexto pregão seguido e tentar buscar o objetivo em 105 mil/106 mil pontos do índice, mas com expectativas sobre fala do ministro Paulo Gudes sobre fluxo para emergentes e estímulos via crédito em 2021.

Nos EUA, dirigentes do FED voltaram a alertar sobre as incertezas com a nova onda da covid-19 e a necessidade de estímulos fiscais. Já no Reino Unido, o primeiro-ministro Boris Johnson sofreu derrota no parlamento em votação sobre poder violar termos do acordo do Brexit.

No Peru, o Congresso aprovou impeachment do presidente Martín Vizcarra por denúncia de corrupção e a farmacêutica Eli Lilly recebeu autorização emergencial para remédio contra a covid-19.

Na Alemanha, o índice Zew de expectativas econômicas observou queda em novembro para 39 pontos, quando o previsto era que ficasse em 40 pontos. Já o BOJ (BC japonês), vai criar instrumento especial de depósito para bancos regionais se remunerarem e aliviar tensões.

No mercado internacional, o petróleo WTI negociado em NY mostrava alta de 0,87%, com o barril cotado a US$ 40,64. O euro era transacionado em queda para US$ 1,179 e notes americanos de 10 anos com taxa de juros em alta para 0,94%. O ouro e a prata mostravam recuperação na Comex e commodities agrícolas em altas na Bolsa de Chicago.

Aqui, o presidente da Câmara, Rodrigo Maia, disse que o Brasil vai explodir em janeiro se as matérias de ajuste fiscal não forem votadas.

Há ainda o orçamento de 2021 que precisa ser votado para não travar a execução pelo Tesouro. Ontem, o vice-presidente Mourão disse que o orçamento pode não ser votado nesse ano e pode ser deixado para março/abril, o que seria bem ruim. Ainda na economia, a FGV anunciou a primeira prévia do IGP-M de novembro com inflação em alta para 2,67%, vindo de 1,97%. Com isso, a inflação de 2020 pelo indicador mostra +21,25% e em 12 meses com 23, 79%.

Na agenda do dia nenhum indicador com capacidade de mexer muito com os mercados. A expectativa é de que a Bovespa possa manter alta e absorver realizações de curto prazo, dólar fraco e juros em queda.

Bom dia e bons negócios!

Alvaro Bandeira
Economista-Chefe do banco digital modalmais