Ontem a Bovespa interrompeu sequência de cinco pregões de alta, mas passou boa parte do dia no campo positivo, liderada pela boa performance das ações de Petrobras, depois do discurso do novo presidente Silva e Luna. O dólar terminou o dia com queda de 0,61%, com a moeda cotada em R$ 5,55. Mercados no mundo tiveram dia de realizações de curto prazo e aqui, mercados complicados pelo vencimento de opções de ações.

No final da tarde os investidores locais realizaram posições, temerosos com o acordo do Congresso em deixar de fora do teto de gastos cerca de R$ 125 bilhões, no PLN 2 que alterou a LDO de 2021. O projeto vai agora para sanção presidencial e deve ser aprovado.

Também influiu no comportamento dos mercados a decisão do presidente do Senado, Rodrigo Pacheco, de não marcar data para instalação da CPI do covid-19, dando tempo para o governo negociar cargos com parlamentares. Mas Pacheco pretende usar a data de 27/04 para instalar a comissão e promete não interferir nos trabalhos.

Hoje, mercados no mundo com comportamento misto depois de sucessivos recordes de pontuação (aqui ainda longe). Na Ásia, citamos a Bolsa de Tóquio com queda de 1,97%, por conta do covid-19. Europa com comportamento negativo neste início de manhã e futuros do mercado americano passando para quedas. Aqui, investidores vão repercutir decisão ruim sobre o orçamento para o ajuste fiscal e o quadro externo negativo, em dia de agenda vazia e véspera de feriado.

Na Alemanha, a inflação medida pelo PPI (atacado) de março mostrou alta para 3,7% na comparação anual e taxa mensal de 0,9%, a maior desde 2011. Já o PBOC (BC chinês), manteve a taxa de juros básica inalterada pela 12ª reunião seguida e a safra de resultados do primeiro trimestre permanece positiva, afetando pontualmente os preços das ações.

Os EUA colocam pressão sobre o clima na véspera da reunião de cúpula e vamos ter que avaliar qual será a postura do Brasil no encontro. Teremos que melhorar o discurso. No mercado internacional, o petróleo WTI, negociado em NY, mostrava boa alta de 0,98%, com o barril cotado a US$ 64. O euro era transacionado em alta para US$ 1,205 e notes americanos de 10 anos com taxa de juros em leve queda para 1,592. O ouro e a prata com comportamento negativo na Comex e commodities agrícolas começando o dia com boas altas na Bolsa de Chicago.

Aqui, na véspera do feriado a situação fica um pouco mais tensa e com agenda vazia, ficamos ao sabor do noticiário de momento e de fluxo de recursos canalizado. Expectativa para o dia é de Bovespa realizando um pouco, mas o petróleo em alta pode segurar em parte, junto com ajustes de posições de exercício de opções no montante aproximado de R$ 17 bilhões. Juros e dólar com viés de alta.

Bom dia e bons negócios!

Alvaro Bandeira
Economista-Chefe do banco digital modalmais