O dia começou em queda no segmento Bovespa da B3, mas, na parte da tarde, conseguiu recuperar alta, com base na valorização de Vale e Petrobras, siderúrgicas e Banco Itaú. Isso, mesmo considerando escalada do dólar e mercados fracos no exterior, com Bolsas europeias em queda e mercado americano novamente com comportamento misto.

No exterior, a Alemanha anunciou o saldo da balança comercial com superávit de 15,9 bilhões de euros, fruto de exportações em alta de 0,3% e importações com queda de 1,7%. Mas os investidores seguiram preocupados com a inflação americana, que será anunciada amanhã, e com a postura do BCE (BC europeu), que anunciou reunião na próxima semana para reavaliar a estratégia de política monetária. Já o BoE (BC inglês) pode começar a fechar a torneira de estímulos, segundo analistas.

Nos EUA, os estoques no atacado de abril cresceram 0,8% e os estoques de petróleo encolheram 5,2 milhões de barris na semana anterior, enquanto os de gasolina cresceram 7 milhões de barris com utilização da capacidade instalada em alta para 91,3%. O presidente Biden revogou ordem de Trump sobre TikTok e WeChat serem vendidas.

O FMI falou sobre o momento ideal da reunião do G7 para coordenar o financiamento de vacinação pelo mundo. Segundo o FMI, a alta de juros em países desenvolvidos seria grande problema para os emergentes. A OPAS (Organização Pan Americana de Saúde) declarou que a América Latina deve ter prioridade na distribuição de vacinas e que a variante Delta mostrou maior transmissibilidade, mas todas as vacinas são eficazes para essa mutação.

No mercado internacional, o petróleo WTI, negociado em NY, mostrava queda de 0,46%, com o barril cotado a US$ 69,73. O euro era transacionado em leve alta, para US$ 1,218, e notes americanos de 10 anos com taxa de juros de 1,488%, depois do leilão realizado de US$ 38 bilhões e demanda maior que oferta. O ouro em queda e a prata em alta na Comex, e commodities agrícolas majoritariamente em queda na Bolsa de Chicago. O minério de ferro teve alta de 1,51% em Qingdao, na China, com a tonelada encerrando cotada em US$ 212,67.

No segmento doméstico, a inflação oficial de maio, medida pelo IPCA, deu um susto, com aceleração para 0,83%, vindo de 0,31%, na maior taxa para o mês desde 1996. No ano, a inflação está em 3,22% e atinge 8,06% em 12 meses, mas deve encolher nos próximos meses. A área de economia diz ser possível encerrar o ano dentro da faixa da meta. Porém, já se especula que o ano possa mostrar taxa pouco abaixo de 6% e a Selic na faixa de 6%/6,5%. O Bacen deve ter que endurecer o discurso de normalização parcial da política monetária.

O Bacen também mostrou o fluxo cambial do mês de maio negativo em US$ 1,82 bilhão, com saídas pelo canal financeiro de US$ 4,09 bilhões. No ano, o fluxo ainda está positivo em US$ 10,45 bilhões. Os ganhos com operações de swap cambial em maio atingiram R$ 11 bilhões, bancos vendidos em dólares em US$ 18,7 bilhões, posição cambial líquida de US$ 277,1 bilhões e base monetária em 04/06 de R$ 410,3 bilhões.

Na política, Bolsonaro tentou se defender do erro cometido sobre supernotificação e voltou a atacar os governadores, dizendo que esse era seu entendimento. Também elogiou o ministro Ricardo Salles, que tem andado na corda bamba por muito tempo.

No mercado, dia de dólar voltando a subir e mostrando alta de 0,69% no encerramento, cotado a R$ 5,07. Na B3, na sessão de 07/06, os investidores estrangeiros voltaram a alocar recursos no montante de R$ 1,89 bilhão, deixando o saldo de junho positivo em R$ 7,93 bilhões e o ano com ingresso líquido de R$ 39,32 bilhões.

No mercado acionário, dia de queda de 0,20% na Bolsa de Londres, Paris com alta de 0,19% e Frankfurt com -0,38%. Madri com alta de 0,15% e Milão com queda de 0,26%. No mercado americano, o Dow Jones fechou com -0,44% e Nasdaq com -0,09%. Na B3, o dia foi de +0,09% e índice em 129.906 pontos.

A agenda de amanhã incorpora nervosismo, trazendo a primeira prévia do IGP-M de junho e o levantamento sistemático da produção agrícola. Na zona do euro, a decisão do BCE sobre política monetária e, nos EUA, a inflação pelo CPI de maio (consumidor). Além disso, os pedidos de auxílio desemprego da semana anterior, o resultado fiscal de maio e a oferta e demanda agrícola pela USDA.

Boa noite!

Alvaro Bandeira
Economista-Chefe do banco digital modalmais

Fonte: https://www.modalmais.com.br/blog/falando-de-mercado