A semana mostra sinais de que pode ser melhor para os mercados de risco, tanto aqui como no exterior, o que pode ensejar recuperação da Bovespa, apagando a queda anual de 3,98%. Antes disso, na semana passada a Bovespa registrou perda de 2,26%, com o índice em 114.285, após ter novamente se aproximado dos 118.000 pontos. O dólar encerrou a semana, cotado a R$ 5,266, com alta de 1,60% e mercados americanos também terminaram a semana no campo negativo.

Nem precisamos lembrar os efeitos das declarações de Bolsonaro nas manifestações do 7 de setembro, depois a carta divulgada na semana mostrando recuo e versando sobre os excessos cometidos nas manifestações de Brasília e São Paulo. Membros do governo, como o ministro Paulo Guedes, disseram que o presidente recolocou as coisas nos trilhos e o governo prepara ofensiva para aprovar medidas, dentre elas o orçamento de 2022, definição sobre os precatórios e reforma do imposto de renda no Senado.

Mas, o quadro é ainda de suspeição sobre a real motivação de Bolsonaro e a perenidade do recuo. Ainda na sexta-feira o presidente disse que ainda não errou em seu governo e que o 7 de setembro não foi em vão. O final de semana foi bem tranquilo no ambiente político, as manifestações da oposição foram bem fracas e o ministro da Casa Civil, Ciro Nogueira, prepara ofensiva junto ao Congresso para aprovações.

No exterior, mercados iniciando o dia bem, com Bolsas da Ásia em alta (exceto Hong Kong com -1,50%), Europa começando o dia com boas altas e futuros do mercado americano com comportamento positivo. Aqui, precisamos recuperar o patamar de 115.000 pontos, depois nos aproximarmos de 118.000 pontos, para almejar buscar a casa de 121.000. O dia é de agenda fraca, mas o resto da semana contém dados importantes e com capacidade de mexerem com os mercados.

No mercado internacional, dia de petróleo WTI, negociado em NY, com alta de 1,16% e barril cotado a US$ 70 53. O euro em queda para US$ 1,179 e notes americanos de 10 anos com taxa de juros de 1,33%. O ouro e a prata com quedas na Comex e commodities agrícolas com desempenho positivo neste início de manhã.

Aqui, o dia parece tranquilo no campo político com parlamentares ainda fora de Brasília e o petróleo em alta no exterior pode ajudar com Petrobras e dar certa trégua. Lá fora, investidores ainda sob o efeito de declarações suaves do BCE, mas a presidente Christine Lagarde volta a discursar hoje. Também avaliam as conversas de Xi Jinping, da China, com Biden e Merkel sobre cooperação e investimentos. Além disso, o Irã permitiu acesso às câmeras da área nuclear pela agência internacional de energia nuclear.

Na agenda do dia teremos a nova pesquisa semanal Focus, do Bacen, o saldo da balança comercial da semana anterior e nos EUA, o resultado fiscal de agosto. Expectativa de Bovespa seguindo exterior em alta, dólar mais fraco e juros comportados, depois da alta da semana passada.

Bom dia e bons negócios.

Alvaro Bandeira
Economista-Chefe do banco digital modalmais
Fonte: https://www.modalmais.com.br/blog/falando-de-mercado