A semana promete ser intensa de indicadores de conjuntura e também curta pelo feriado americano de hoje e em São Paulo na próxima sexta-feira, devido ao feriado da Revolução Constitucionalista de 1932. Além disso, a semana inclui a ata do FED da última reunião, a reunião da OPEP+ que está complicada sobre meta de produção, e aqui com a inflação oficial pelo IPCA de junho, IGP-DI, vendas no varejo de maio, ruídos do imposto de renda e CPI do covid-19 com novas denúncias.

Sem mercados nos EUA hoje, o dia promete ser longo, com forte perda de liquidez e também de referencial de preços dos ativos. Aqui, o mês de julho mostra alta do Ibovespa de 0,65% e no acumulado do ano bem menos que outros mercados (na sexta-feira novos recordes de pontuação para os índices americanos), mesmo com ambiente político bastante complicado para Bolsonaro por novas denúncias de rachadinhas.

Mercados da Ásia terminaram o dia de hoje com comportamento misto e destaque para a Bolsa de Xangai com alta de 0,44%. Europa sendo influenciada por indicadores PMI anunciados nesse início de manhã e futuros do mercado americano com leve queda. Mas todos melhorando desde o início da manhã. Aqui, o dia promete ser tenso e para descortinar melhor momento seria preciso que o Ibovespa ultrapassasse o patamar de 129.000 pontos e que não perca a área de 125.000 pontos.

O dia está sendo de anúncio de indicadores PMI da atividade de serviços e composto (inclui indústria) para diferentes países no mês de junho. No Japão, alta do PMI composto para 48,9 pontos contrariando previsão de queda, mas abaixo de 50 pontos, o que mostra contração e PMI da China em queda para 50,3 pontos para serviços e confirmando desaceleração.

Na Alemanha, o PMI de serviços de junho melhorou para 57,5 pontos em serviços e composto em alta para 59,5 pontos. Na zona do euro, PMI de serviços em 58,3 pontos e composto em 59,5 pontos. Já no Reino Unido, queda em serviços para 62,4 pontos e composto em queda para 62,2 pontos. Nos EUA, nas comemorações de 04/07 o presidente Biden destacou a maior taxa de crescimento em quatro décadas e ressaltou a necessidade de vacinação. Pesquisa divulgada indicou que Biden tem aprovação de 50% da população para seu governo.

Já a OPEP+ segue complicada, com a Arábia Saudita rechaçando proposta dos Emirados para meta de produção. O petróleo WTI mantinha alta de 0,40%, com o barril cotado a US$ 75,46. O euro era transacionado em alta para US$ 1,187 e notes americanos fechando com taxa de juros de 1,42%. O ouro e a prata tinham altas na Comex e commodities agrícolas com desempenho misto na Bolsa de Chicago.

Aqui, Rodrigo Pacheco, presidente do Senado, defendeu o voto eletrônico e repetiu que não se deve banalizar o superpedido de impeachment protocolado na Câmara. Já a ministra do STF, Rosa Weber, autorizou o inquérito do presidente Bolsonaro no episódio da vacina Covaxin.

Na agenda do dia a nova pesquisa semanal Focus do Bacen e o saldo da balança comercial na semana anterior. Nos EUA, nenhum indicador. Expectativa de Bovespa indefinida, dólar e juros em alta.

Bom dia e bons negócios!

Alvaro Bandeira
Economista-Chefe do banco digital modalmais