O dia foi de volatilidade nos mercados de risco, com commodities passando por fortes variações intraday (notadamente petróleo), mercado acionário e também o câmbio. Aqui, dólar cotado acima de R$ 5,27, Bovespa abrindo com queda e recuperando perdas e mercados americanos com muitas mudanças de sinais ao longo do dia.

No exterior, a variante Delta da covid-19 assusta investidores, ao ponto de a Casa Branca divulgar que um lockdown como o de março seria pouco provável, já que mais de 70% dos adultos já tomaram pelo menos a primeira dose. Também temos preocupação com relação à elevação do teto da dívida americana, que pode travar alguns setores do governo. Além disso, James Bullard, do FED de St. Louis, ampliando a tensão dos mercados, quer encerrar medidas emergenciais adotadas na pandemia já a partir de setembro, enquanto Mary Daly, de São Francisco, não espera que fatores que inibem a oferta de mão de obra se estendam.

As encomendas à indústria nos EUA crescendo 1,5% em junho ajudaram na melhora do mercado, vindo acima do previsto de +0,9%, principalmente com a revisão do mês anterior de 1,6% para 2,3%. Nos EUA, as dívidas das famílias expandiram 2,1% no segundo trimestre, a maior alta desde o quarto trimestre de 2013, para total de US$ 15 trilhões.

O IIF (Institute of International Finance) estima que o fluxo de carteira para países emergentes cresceu US$ 7,7 bilhões, representado pelo ingresso de títulos de dívida de US$ 18,2 bilhões e saída de ações de US$ 10,5 bilhões. Também explica que emergentes seguem vulneráveis, caso os bancos centrais comecem a retirar estímulos.

A China anunciou que vai testar todos os habitantes da província Wuhan, onde começou a contaminação pela covid-19, após novas infecções detectadas. No mercado internacional, o petróleo WTI, negociado em NY, mostrava queda de 1,05%, com o barril cotado a US$ 70,50. O euro era transacionado em leve queda para US$ 1,186, e notes americanos de 10 anos com taxa de juros de 1,185. O ouro em queda e a prata em alta na Comex, e commodities agrícolas com comportamento misto. O minério de ferro, negociado em Qingdao, na China, teve leve alta de 0,14%, com a tonelada fechando em US$ 184,67.

No cenário doméstico, muita confusão na área política, com destaque envolvendo urna eletrônica e voto impresso. O ministro Luiz Roberto Barroso, do STF, responde sereno as críticas de Bolsonaro, mas o presidente voltou a extrapolar com comentários duros sobre pedofilia, que a palavra do ministro não vale nada e ameaçando convocar manifestação na Avenida Paulista, em SP. Já o ministro Paulo Guedes assegurou que não haverá calote dos precatórios, mas arrematou que “deve, não nega e paga quando for possível” os tais R$ 90 bilhões. Os mercados aqui têm padecido com risco político e forte tensão.

Arthur Lira (câmara) disse que espera votar à reforma administrativa no final de agosto, mas muitos parlamentares acham que ela deveria vir depois da reforma tributária (não a do Imposto de Renda). Por falar nisso, o Consefaz (Conselho de Secretários da Fazenda) voltou a pedir a rejeição integral da reforma do IR, mesmo depois dos substitutivos, alegando que subtrai receitas de estados e municípios. O relator da reforma do IR apresentou seu parecer, o que afetou os mercados, e acrescentou aumento de alíquota sobre minério de ferro CFEM (aproveitamento de recursos minerais) para 5,5%, de anterior em 4%.

O IBGE anunciou que a produção industrial de junho ficou estável e pior que o previsto, mas no ano mostra expansão de 12,9%. A produção de bens de capital cresceu 1,4% e, contra igual período de 2020, com +54,8%, mas produção encolheu em 14 de 26 atividades. Já a Fenabrave anotou que a venda de veículos de julho caiu 3,8%, por falta de modelos de carros, falta de componentes e paradas de fábricas.

No mercado, dia de dólar praticamente estável faltando poucos minutos para encerrar e cotado em R$ 5,196. No mês de julho, os investidores estrangeiros retiraram recursos da Bovespa no montante de R$ 8,25 bilhões, mas o ano segue com entradas líquidas de R$ 39,8 bilhões.

No mercado acionário, dia de alta da Bolsa de Londres de 0,34% Paris com +0,72% e Frankfurt com queda de 0,09%. Madri e Milão com valorizações de respectivamente 0,16% e 0,02%. No mercado americano, Dow Jones com +0,73% e Nasdaq com +0,43%. Na Bovespa, alta de 0,76% e índice fechando em 123.451 pontos, com boa ajuda de Vale e Itaú, que divulgou bom resultado de R$ 6,5 bilhões no seguindo trimestre.

Na agenda de amanhã, teremos o IC-Br de preços das commodities de julho e o fluxo cambial de julho. Nos EUA, a nova pesquisa ADP de criação de vagas no setor privado em julho e discurso do vice-presidente do FED, estoques de petróleo e derivados pelo Departamento de Energia. Além disso, saem indicadores PMI em diferentes países da atividade de serviço e composto.

Boa noite!

Alvaro Bandeira
Economista-chefe do banco digital modalmais