Após um início de sessão marcado pela manutenção dos temores relacionados ao Brexit (saída do Reino Unido da União Europeia), a aversão global ao risco diminuiu nos mercados nesta quarta-feira(6).

Dados fortes sobre o desempenho do setor de serviços nos Estados Unidos em junho fizeram os índices na Bolsa de Nova York inverterem o sinal e passarem a subir. O petróleo também mudou de direção, passando a operar no campo positivo.
A ata do Fed (Federal Reserve, o banco central dos Estados Unidos) contribuiu para a melhora de humor dos investidores. O documento reforçou as apostas de que uma alta dos juros americanos não deve ocorrer tão cedo.

O Ibovespa, que chegou a cair quase 2% pela manhã, terminou o pregão com leve ganho, influenciado pelo movimento na Bolsa de Nova York e pelo avanço do petróleo. O dólar, no entanto, mantevese em alta, fechando na casa dos R$ 3,33, afetado por mais uma ação do Banco Central no câmbio.

Alvaro Bandeira, economistachefe da Modalmais, afirma que os mercados globais buscam um ponto de equilíbrio, e deverão se manter voláteis no curto prazo. “Após o susto com o Brexit, os mercados subiram com as expectativas de que houvesse uma ação coordenada de bancos centrais para evitar uma desaceleração global; como não houve nada de concreto, passaram a cair”, explica.

Para Bandeira, as turbulências na Europa, com o Brexit e dificuldades no setor bancário italiano, afetam o cenário mundial, mas não há risco de contaminação para outros países, nem de haver uma crise global como a vista em 2007/2008. “Os países estão bem mais preparados para enfrentar esses problemas”, avalia.

No campo doméstico, os investidores aguardavam a definição da meta fiscal para 2017 e um possível aumento de impostos, como a Cide.

BOLSA

O principal índice da Bolsa paulista encerrou o pregão em leve alta de 0,11%, aos 51.901,81 pontos. O giro financeiro foi de R$ 5,3 bilhões.

As ações da Petrobras, que caíam mais cedo, fecharam no campo positivo, acompanhando a recuperação dos preços do petróleo no mercado internacional.

Os papéis da estatal tiveram valorização de 2,26%, a R$ 9,50 (PN), e de 3,08%, a R$ 11,69 (ON).
Os papéis da Vale também viraram e terminaram com ganho de 2,24%, a R$ 13,19 (PNA), e 1,43%, a R$ 16,29 (ON).
No setor financeiro, Itaú Unibanco PN subiu 0,39%; Bradesco PN fechou estável; Banco do Brasil ON, 0,23%
; Santander unit, +0,33%; e BM&FBovespa ON, 0,84%.

CÂMBIO

O dólar comercial fechou em alta de 1,09%, a R$ 3,3370, enquanto a moeda americana à vista teve ganho de 0,56%, a R$ 3,3200.

Fonte: folha.uol.com.br