O dólar comercial opera em queda pelo segundo pregão consecutivo refletindo a atuação do Banco Central e ainda digerindo o discurso da presidente do Federal Reserve (Fed, o bc americano), Janet Yellen. O dólar comercial, às 16h11, tinha leve recuo de 0,11%, a R$ 3,419. A Bolsa de Valores de São Paulo (Bovespa) estava praticamente estável, com leve variação negativa de 0,26%, aos 60.600 pontos. Com o dinheiro novo e as rolagens, o BC vem atuando para tirar a volatilidade do mercado, caso contrário o dólar poderia saltar, ir a R$ 3,70, por exemplo, enquanto os mercados continuam mostrando sinais de desequilíbrio por conta do “efeito Trump” — comentou Àlvaro Bandeira, economista chefe do ModalMais Home Broker.

O Banco Central vendeu nesta manhã dez mil novos contratos de swap tradicional (equivalente à venda futura de dólares) ofertados e irá renovar 20 mil contratos que vencem em 1º de dezembro — mesma estratégia adotada ontem. Para o especialista, a volatilidade só diminuirá quando Trump definir sua equipe e formatar suas medidas: — Todos querem saber quem será o secretário do Tesouro, por exemplo. Enquanto a equipe não está definida, os mercados continuam com comportamento misto, mostrando desequilíbrio e incerteza sobre os fluxos financeiros. 

Nos EUA, Yellen, fez discurso no Congresso, destacando que pretende cumprir seu mandato até o fim, e durante a leitura de seu discurso, afirmou que a autoridade monetária pode elevar a taxa de juros “relativamente em breve” se os dados econômicos continuarem indicando melhora do mercado de trabalho e inflação em alta. A expectativa é de uma elevação da taxa na reunião de dezembro. 17/11/2016 BC e Yellen fazem dólar ter segunda queda seguida, a R$ 3,419.

Veja na integra