O montante total que pessoas físicas negociaram em ações em home brokers na Bolsa no primeiro semestre ultrapassou a metade do total do ano passado.

É uma reversão de tendência: o dinheiro movimentado por esse tipo de investidor vinha de uma queda de 4% de 2014 para o ano passado.

A expectativa de uma melhora da renda variável traz pessoas físicas que já alocavam seus recursos nas plataformas, mas que estavam “dormentes”, afirma Rodrigo Puga, sócio do Banco Modal.

“Estamos em uma primeira onda, mas, se a economia melhorar, se diminuir a volatilidade, se houver mais IPOs (abertura de capital), o interesse pelo produto deve crescer, e novos investidores vão começar a usar.

Veja matéria na integra no jornal Folha de S. Paulo do dia 29/07/2016