Índice tem nova queda nesta sexta-feira e fecha abaixo de 65 mil pontos, enquanto dólar interrompe sequência de perdas

SÃO PAULO – Após uma nova sessão de leves perdas na véspera, o Ibovespa registrou queda mais acentuada nesta sexta-feira (21), encerrando a semana no negativo após os fortes ganhos recentes. Pesou no mercado o desempenho dos principais índices internacionais e das commodities. Além disso, os investidores também digeriram o anúncio do aumento de impostos e seus possíveis impactos sobre a economia e a inflação.

O benchmark da bolsa brasileira fechou com queda de 0,39%, aos 64.684 pontos, fechando a semana com perdas acumuladas de 1,15%. O volume financeiro ficou em R$ 5,303. Enquanto isso, o dólar comercial encerrou uma sequência de 10 quedas e subiu 0,45%, cotado a R$ 3,1408 na venda, na máxima do dia. Mesmo assim a moeda registrou a quarta semana seguida de perdas, caindo 1,2%. Os contratos de dólar futuro com vencimento em agosto deste ano, por sua vez, subiram 0,64%, sinalizando cotação de R$ 3,147.

Os contratos de juros futuros com vencimento em janeiro de 2018 caíram 1 ponto-base, a 8,53%, ao passo que os DIs com vencimento em janeiro de 2021 recuaram 3 pontos-base, a 9,44%. Os recuos vistos nos yields dos contratos de juros futuros indicam maiores apostas do mercado por um corte de 100 pontos-base na Selic na reunião do Copom (Comitê de Política Monetária) marcada para a próxima semana.

“Os mercados se ressentem das tensões políticas no exterior focadas basicamente em Donald Trump, que tem seus negócios investigados, além de as relações com os russos, e ainda com divergências com o procurador-geral recém-nomeado. Internamente os agentes do mercado passaram todo o dia de ontem esperando anúncio do governo sobre aumentos de impostos. No final da tarde finalmente a elevação de impostos foi anunciada”, observou Alvaro Bandeira, economista-chefe do home broker Modalmais.

fonte: infomoney – 21/07/2017