Ibovespa chegou a subir nesta quarta-feira (8), mas virou e passou a cair. A perda era de 0,22% às 13h32, a 64.067 pontos, acompanhando as quedas em Nova York. O S&P550 recuava 0,19% e bolsas da Europa, que subiam pela manhã, viraram e passaram a cair. Caso de Paris, que recuava 0,12%.

Álvaro Bandeira, economista-chefe do Modalmais, diz que a tendência do mercado segue positiva. Após a alta de janeiro, ele afirma que é natural o Ibovespa se acomodar. Mas a tendência ainda é de ganhos, calcada numa expectativa positiva para as bolsas globais, com a recuperação da economia americana puxando outras economias no mundo e também as commodities. Segundo ele, esse tom positivo supera os ruídos negativos políticos da Europa. “A volatilidade continuará, mas a tendência é de alta”, afirmou. Petrobras segue a queda do petróleo e pesa no índice. Depois de Natura ON (2,55%), que lidera as perdas no horário, estão Petrobras PN (2,24%) e Petrobras ON (1,90%).

Os ganhos são liderados por Ecorodovias ON (2,72%), Qualicorp (2,30%) e Localiza ON (1,99%).

O tom negativo do mercado apagou os ganhos das mineradoras, que chegaram a liderar as altas hoje. Alguns papéis mostram volatilidade e já estão entre os destaques de queda do índice, como Gerdau PN (1,87%). O setor liderou as altas do Ibovespa ontem. Em Dalian, os futuros de minério de ferro saltaram 4,3%, a 645,50 yuans por tonelada, enquanto em Xangai, os futuros de vergalhões de aço avançaram 2,9%, a 3.196 yuans por tonelada. As ações da locadora de veículos Movida iniciam suas negociações na bolsa em queda de 1%. O papel da companhia, que estreia na bolsa hoje, tem volume financeiro de R$ 30 milhões, cotado a R$ 7,42. O ativo saiu a R$ 7,50 a unidade. A operação movimentou um total de R$ 645,1 milhões, abaixo da expectativa da controladora da companhia, a empresa de logística JSL. Na terça-feira, o conselho de administração da Movida aprovou um aumento de capital de R$ 485,9 milhões, com exclusão de preferência dos atuais acionistas.

Veja íntegra da matéria no Jornal Valor Econômico em 08/02/2017 por Aline Cury Zampieri e Jose de Castro.