Incertezas para 2016 levantam preocupação com caixa da Petrobras

Estatal disse que pretende chegar ao fim do ano com saldo de US$ 21 bilhões
RIO – A Petrobras anunciou ontem em teleconferência com analistas após a divulgação dos resultados de 2015 que pretende chegar ao fim do ano com US$ 21 bilhões em caixa. Segundo economistas, porém, pairam muitas condicionantes sobre a estatal até o fim do ano e ainda é cedo para saber se ela conseguirá cumprir a meta. No início do ano, a empresa tinha em caixa US$ 26 bilhões.

Apesar de ter feito uma baixa contábil bilionária, de R$ 49,8 bilhões (dos quais R$ 47,67 bilhões se referem a reavaliações de ativos e o restante a investimentos), analistas avaliam que novos ajustes deverão ser feitos nos próximos trimestres. Assim, será mais difícil para a estatal atingir a meta de vender US$ 14,4 bilhões em ativos neste ano e ainda reduzir seu atual nível de endividamento.

Uma das dificuldades é conseguir atingir a receita prevista com a venda de ativos neste ano. Outras questões imponderáveis são citadas no relatório do próprio balanço de 2015 da companhia. A estatal diz que o saldo de US$ 21 bilhões não considera eventuais gastos com a ação coletiva movida por investidores nos Estados Unidos, com o contencioso trabalhista – a estatal já tem provisionado R$ 3,3 bilhões – , além do risco da entrada em vigor de novas leis no Estado do Rio de janeiro, que aumentam a carga tributária na exploração do petróleo.

Álvaro Bandeira, economista-chefe do Home Broker Modalmais, espera novas baixas nos ativos da estatal nos próximos trimestres. O analista lembra que, além de vários passivos trabalhistas, existem processos da Petrobras com o Conselho Administrativo de Recursos Fiscais (Carf), considerando que só um dos processos soma R$ 7 bilhões.

– A Petrobras tem muita coisa a limpar em seu balanço, mas o mais importante é reduzir sua dívida, vender ativos, participações nas empresas onde é minoritária e focar em projetos de maior retorno. Tem que diminuir de tamanho – disse Bandeira.

Veja a integra destá matéria em: O Globo Online de 23/03/2016