inflacao-aluguel

Projeção da FGV é de retração de até 1,5 ponto percentual no IGP-Mao longo de 2017
SÃO PAULO E RIO – O IGP-M, índice de inflação que reajusta a maioria dos contratos de aluguel, avançou 0,54% em dezembro, depois de ter retraído 0,03% em novembro. Essa aceleração levou o indicador a fechar o ano em 7,17%, acima do esperado pelo mercado. Ainda assim, a alta é bem inferior aos 10,54% de 2015. Os dados são da Fundação Getulio Vargas.

A comparação anual mostra uma retração de quase 3,5 pontos percentuais. Essa desaceleração vai continuar ao longo de 2017. Estimo que haja uma redução de um ponto ou um ponto e meio ao longo do ano novo prevê Salomão Quadros, professor da FGV responsável pela pesquisa.

O número mais alto que o esperado no IGP-M em dezembro é explicado pelos preços no atacado. No índice da FGV, esses preços, calculados pelo Índice de Preços ao Produtor Amplo (IPA), representam 60% do total e saíram de uma queda de 0,16% em novembro para alta de 0,69% em dezembro, afetados, sobretudo, pelo encarecimento do minério de ferro e do petróleo.

Já o Índice de Preços ao Consumidor (IPC, mais comparável ao IPCA) representa apenas 30% do IGP-M e apresentou variação de 0,20%, ante 0,26% de novembro, porque quatro das oito categorias pesquisadas apresentaram inflação menos intensa. No ano, o IPC teve alta de 6,25%.

Os outros 10% que compõem o IGP-M vêm do Índice Nacional de Custo da Construção (INCC), que acelerou para 0,36% em dezembro contra 0,17% em novembro. O economista Alvaro Bandeira, do Home Broker Modalmais, relativiza a importância do IGP-M:

Os proprietários hoje não conseguem repassar o ajuste. Com a crise, o locador passou a conseguir negociar o reajuste no aniversário do contrato, evitando o aumento.

Fonte: O Globo Online – 30/12/2016 – Por Roberta Scrivano e Juliana Garçon