Banco Central fechará hoje às 13 horas, a taxa Ptax, média oficial para os contratos de câmbio no segmento de futuros da B3 que vencem em setembro. Moeda americana oscilará mais no pregão.

São Paulo – As instituições financeiras podem revisar suas projeções para o preço do dólar americano para baixo até o final de 2017. A média colhida pela Pesquisa Focus do Banco Central já recuou de R$ 3,30 para R$ 3,23 nas últimas semanas e mostra tendência de queda.

(…)

Hoje, no último dia útil do de agosto, (31/08), o Banco Central fecha às 13 horas, a taxa Ptax, indicador que serve para estabelecer os ganhos e perdas dos contratos futuros de dólar na B3 do mês de setembro, e a expectativa é que moeda americana oscile mais, entre R$ 3,13 e R$ 3,16 a depender da disputa entre “comprados” e “vendidos” pela formação do preço final.

Ontem, segundo os dados da B3, os investidores institucionais (fundos) registravam maior número de contratos de venda (vendidos). Na outra ponta, os bancos estavam com posição líquida em contratos de compra (comprados).

Em termos de volume, a média diária de negócios no mês (257 mil contratos de dólar futuro) até 29 de agosto aponta uma movimentação 2% superior à de igual período do ano passado (252 mil), mas 22% abaixo da média diária de 330 mil contratos registrada em maio, quando o dólar Ptax atingiu o pico de R$ 3,3807 com a delação da JBS envolvendo o presidente da República, Michel Temer.

Coreia do Norte e EUA

Na terça-feira (29/08), quando um míssil da Coreia do Norte violou o espaço aéreo do Japão, o fato levou apreensão aos mercados financeiros. O euro chegou a atingir US$ 1,20 patamar que não era visto desde janeiro de 2015. Ontem, a moeda europeia fechou em US$ 1,189 – em baixa.

Em resumo, se o mercado de trabalho nos EUA se mostrar muito positivo, aumenta a possibilidade do Federal Reserve (Fed, o banco central americano) elevar as taxas de juros, com um possível recuo no fluxo de recursos para países emergentes como o Brasil.

O economista-chefe da Modalmais, Álvaro Bandeira, citou em seu relatório ao mercado que as notes (notas) de 10 anos do Tesouro americano mostram juros de 2,14%. “No segmento internacional, predominou a redução da aversão ao risco com os incidentes com a Coreia do Norte e dados da economia americana”, diz.

Fonte: DCI Online 31/08/2017