Modalmais oferta novos fundos e reduz corretagem

Um ano e 15 mil clientes depois, o modalmais, plataforma online de investimentos voltada para a pessoa física do Banco Modal, vai começar a distribuir fundos de terceiros. Paraelamente, a casca entra abertamente na guerra de tarifas de corretagem que move os chamados investidores com perfil “scalper” – aqueles que fazem transações de curtíssimo prazo, muitas vezes com intervalo de segundos entre a compra e a venda de um ativo que hoje usa mais intensamente corretoras de maior porte, como a XO, Clear ou Rico – que compõem o grupo XP.

No seu batizado plano Scalper, o Modalmais vai cobrar a mensalidade de R$ 500,00, para que esses investidores tenham acesso a uma corretagem de R$ 0,99 por ordem executada, independente da quantidade de transações efetuadas. As alternativas disponíveis até então tinham um custo de R$ 8,99 por operação realizada, ou R$ 20 mensais mais de R$ 4,00 por ordem. Para aqueles que executavam pelo menos 200 transações ao mês, era considerado um preço salgado, comparativamente às corretoras maiores, diz o sócio da plataforma Rodrigo Puga.
Como essa era um tipo de prestação de serviço subutilizado, ele diz que não haverá renúncia de receitas. “Tem muitos clientes que não operam dessa forma com a gente, mas em outras corretoras”

Já no modelo de arquitetura aberta, com a oferta de produtos de terceiros, o modalmais vem desde abril, selecionando fundos dentro de um universo de 40 gestores. A intenção é ter uma grade relativamente enxuta, com cerca de 10 nomes. Um piloto vinha sendo rodado com a AZ Quest, a primeira a ficar disponível na plataforma ainda nesta semana, e antes do ano terminar a gestão a Rio Gestão deve ingressar. A partir de janeiro mais 3 ou 4 outros gestores comporão o portfólio. Mais à frente, a idéia é colocar na prateleira de título de renda fixa emitidos por outras instituições e que hoje estão disponíveis apenas no atendimento off-line, para o público de alta renda.

O objetivo, diz Puga, é ampliar a base de investidores para além daqueles que buscam o Modal até o limite de cobertura de R$ 250 mil do Fundo Garantidor de Créditos (FGC) por CPF. A Atuação do grupo financeiro na regularização de ativos no exterior, fazendo 5% do bolo regularizado de quase R$ 50 bilhões, para 700 clientes, e o aumento recente do rating pela Moody’s batizam os planos de ter uma captação mais expressiva, cita.

Veja na integra