Os investidores têm diminuindo o ritmo de negócios na bolsa de valores nos últimos pregões. O volume negociado caiu, acompanhando a pausa que também ocorre no ibovespa. Depois de dez altas consecutivas, o índice entrou em compasso de espera por notícias que possam direcionar as estratégias de negócios. No exterior, os mercados também diminuíram o ritmo de negociação, após as bolsas americanas testarem máximas históricas seguidas.

O volume médio diário negociado neste mês supera junho 3,7% somando R$ 6,7 bilhões. Ajudou, no começo do mês, o forte fluxo de recurso para emergentes. Mas nos últimos dias, esse ritmo diminuiu. No primeiro dia de pausa, em 20 de julho, o Ibovespa caiu 0,21% e foram negociados R$ 7,1 bilhões. No dia seguinte, o ibovespa teve alta de 0,11% e giro financeiro de R$ 6,630 bilhões. Na última sexta-feira, o volume caiu para apenas R$ 5,610 bilhões, com alta de 0,64% do ibovespa. A queda entre os dias 20 e 22 foi de 21,8%.

A tendência, dizem os profissionais é que esta semana continue vagarosa ao menos até amanhã, quando o Fed (Federal Reserve, BC dos EUA) tem reunião de política monetária. Outro evento importante na semana é a reunião do banco do Japão (Boj) na sexta-feira. Ontem, o ibovespa fechou em baixa de 0,23% aos 56.873 pontos, com volume de negócios de R$ 4,47 bilhões. Esse movimento de baixa não indica que a trajetória de alta foi interrompida, diz Alvaro Bandeira, economista chefe do modalmais.

Veja na integra