No mercado de Bolsa de Valores, diversos fatores e acontecimentos podem oferecer oportunidades para o investidor. Muitas dessas oportunidades podem surgir dentro de um mesmo dia, outras, no futuro, como reflexo de acontecimentos passados. Com base nisso, podemos considerar o conceito de PullBack.

Quando ele ocorre, uma variedade de oportunidades surge para o investidor. Conhecendo bem o mercado em que atua — principalmente o ativo em que foi identificado esse elemento — é possível obter diversas opções de ganhos.

Neste artigo, mostraremos como o PullBack funciona, as oportunidades de rentabilidade que ele pode proporcionar e a forma correta de aproveitar esses momentos. Acompanhe!

 

O que é o PullBack?

O PullBack pode ser definido como um movimento de correção decorrente da realização de lucros de outros investidores e saídas de operações que acontecem em um curto prazo e, em seguida, retornam aos seus patamares normais. Esse “retorno”, portanto, é denominado de PullBack.

Em outras palavras, ele funciona como um identificador de uma correção contrária à tendência que o mercado está flutuando. Outra forma simples de definir o PullBack é afirmando que ele está relacionado a uma mudança rápida na tendência de preços para retornar aos patamares anteriores.

Essa mudança de tendência pode ser de queda ou alta. Essa amplitude de movimento corre em momentos em que o mercado está muito volátil, garantindo o dinamismo de preços de um ativo.

Os PullBacks são mais fáceis de serem analisados nos gráficos. Ao identificar uma rápida subida dos preços, pode surgir um PullBack na sua correção, retornando aos patamares anteriores.

 

Como analisar o PullBack?

Para entrar em operações em que ocorre o PullBack é preciso ter certeza de que esse fenômeno está acontecendo. Para tanto, é necessário averiguar algumas características que ele possui.

Inicialmente, é importante salientar que, quase sempre, ele ocorre sem que exista uma provocação de notícias ou indicadores.

Geralmente, os movimentos são normais dentro da estrutura de mercado, sendo que eles ajudam a delimitar os pontos em que vários investidores realizaram o lucro de suas operações ou quando ocorre a zeragem de suas posições.

Quando o PullBack encerra, o gráfico continua seguindo a sua tendência até que o ponto seguinte aconteça novamente.

 

Quais são os tipos de PullBack?

Basicamente, há dois tipos de PullBack:

  • o de alta, que ocorre em uma tendência de baixa, quando um mercado compra determinado ativo que demonstrava queda em seu preço;
  • o de baixa, que é encontrado em tendência de alta, quando o mercado opera vendido em um ativo que apresentava alta em seu preço.

Além disso, também devemos dar o destaque ao movimento de reversão, que pode acabar sendo confundido com o PullBack. Nesse caso, o preço reverte uma tendência anterior que vinha seguindo e não retorna aos patamares normais que vinham sendo negociados anteriormente.

 

Como são as estratégias de PullBack?

Agora, discorreremos um pouco sobre a forma de operar ativos financeiros utilizando a estratégia do PullBack. Inicialmente, é importante ter em mente que as operações mais favorecidas por esse elemento são aquelas que começam e se encerram no curto prazo.

A melhor forma de se posicionar em determinado ativo com base no PullBack é analisando com atenção o gráfico desse ativo. Por meio dele, é possível identificar a tendência e suas confirmações, facilitando a entrada em operações que oferecem maiores chances de resultados positivos.

Para entender como funciona a estratégia, imaginemos um determinado ativo que está em tendência de alta – identificado a partir da análise de seu gráfico, até mesmo por investidores iniciantes. Se ele tem topos e fundos mais altos, significa que o preço vem subindo com o passar do tempo.

O PullBack, nesse caso, seria esse retorno ou pequena queda nos preços. Quando isso acontece, o investidor tem a oportunidade de entrar na operação em um preço mais baixo, podendo segurar o ativo por mais tempo ou realizar o lucro no próximo topo que o gráfico demonstrar.

Muitas pessoas que fazem Day Trade na Bolsa de Valores utilizam essa metodologia com maestria, realizando dezenas de operações em um único dia.

Obviamente, para que você possa utilizar essa técnica a seu favor e, de fato, se beneficiar dela, é necessário muito estudo e dedicação, bem como experiência para entender quanto se trata de um PullBack e não de uma reversão de tendência ou, simplesmente, uma movimentação de preços motivada por fatores externos, como notícias ou indicadores.

 

Como utilizar o PullBack em suas estratégias de investimentos?

O PullBack pode ser utilizado como uma estratégia de investimentos que, obviamente, visa a obtenção de lucros no curto prazo, entretanto, é importante tomar alguns cuidados com esse tipo de operação.

Inicialmente, você precisa estar muito bem munido de informações de qualidade para tomar a decisão de entrar em um movimento de PullBack. Isso porque, em alguns casos, ele pode, simplesmente, não acontecer.

Existem momentos em que os preços apresentam uma grande amplitude, mas a correção ocorre de forma lenta e pode, simplesmente, seguir a tendência, limitando seus ganhos ou, até mesmo, expondo você a resultados negativos.

Tendo em mãos informações de qualidade e conhecimento suficiente que ajude a identificar possíveis movimentos de PullBack e reversão, você evita tomar decisões equivocadas e é capaz de potencializar os seus rendimentos com o passar do tempo.

Por fim, podemos concluir que o PullBack de mercado é mais uma alternativa que visa potencializar a rentabilidade em suas aplicações e indicar os melhores momentos para entrada em uma operação, seja ela de compra ou venda.

Entretanto, como mencionamos ao longo do artigo, você deve sempre estar atento às semelhanças que essa estratégia tem com a reversão, para não se enganar com possíveis movimentos que não retornarão para o ponto anterior.

Para aprender a investir com segurança, rentabilidade e aproveitar os melhores títulos do mercado, abra a sua conta no modalmais e veja como podemos ajudar você na sua jornada pelo mercado financeiro.