O mercado financeiro possui altos e baixos que vão se repetindo ao longo do tempo. Em alguns casos, esses movimentos são potencializados por momentos de crise, recessões econômicas ou problemas políticos, gerando um efeito denominado de Bear Market.

O que muitas pessoas não sabem é que mesmo com o pessimismo do mercado, ainda é possível extrair rentabilidade em alguns tipos de investimentos. Pensando nisso, nós resolvemos escrever este artigo.

Nele, demonstraremos o conceito de Bear Market, sua origem e funcionamento, bem como as formas de se preparar para ele. Acompanhe!

 

Bear Market: o que é e como funciona?

Bear Market, traduzindo para o português, significa mercado do urso. A alusão a esse animal está no modo como ele ataca as suas presas, sempre com as patas batendo de cima para baixo. Graças a essa característica, o urso virou um símbolo do mercado de baixa, diferentemente do touro, que ataca de baixo para cima e foi colocado como uma referência de altas no mercado.

Esses momentos de queda ocorrem, especialmente, devido às expectativas pessimistas, em relação ao mercado, dos investidores que se baseiam em acontecimentos variados que impactam a economia como um todo ou determinado segmento, aumentando os fluxos vendedores, no que também é chamado de Bearish.

Quando esses movimentos acontecem, é comum que alguns investidores entrem em operações vendidas, aproveitando os movimentos de queda de determinado mercado, visando obter rentabilidade com essas oscilações. Essa prática é muito comum entre os Traders, que atuam como especuladores no mercado financeiro.

 

Quais são as suas particularidades?

O Bear Market se caracteriza por uma queda generalizada nos preços dos ativos, a partir do momento que esse declínio atinge 20% em relação ao último pico apresentado.

No entanto, essa não é a única característica que define um Bear Market. Fatores econômicos, como a queda no PIB, alta nas taxas de juros e até mesmo no desemprego no país, podem influenciar o mercado de modo que ele entre em forte queda. Mas um fator, já mencionado, é um forte indicativo de que pode estar ocorrendo um Bear Market: as expectativas pessimistas dos investidores.

Existem momentos em que os preços atingem picos e são derrubados por influência de alguns fatores fora do mercado, como foi o caso da pandemia de coronavírus, que derrubou o Ibovespa em incríveis 37% no primeiro trimestre, após um ano de altas incomparáveis, com valores históricos ao longo dos 12 meses.

Portanto, é preciso ter em mente que a oscilação negativa do mercado acontecerá a partir do momento em que os grandes investidores, especialmente os institucionais, perceberem algum tipo de risco que os obrigue a se desfazerem de seus ativos, jogando os preços para baixo.

A lei da oferta e da procura nos ajuda a entender o motivo dessa forte queda nos preços. Quando um produto deixa de ser desejado e muitas pessoas começam a vender, é natural que o seu preço caia, exatamente como acontece no mercado financeiro.

Um fato comum no Bear Market é que muitas pessoas vendem ações na esperança de conseguirem certa redução de prejuízos, entretanto, em determinado momento, o ativo pode até mesmo apresentar pouca liquidez, devido à queda no interesse de compra, o que pode dificultar a execução de uma ordem de venda, ou fazer com que o vendedor se veja obrigado a ter sua ordem executada a um preço inferior ao de compra.

Por outro lado, esse momento do mercado pode ser vantajoso para quem especula sobre a queda dos preços e opera vendido, seja a descoberto, seja por meio do aluguel de ações, por exemplo, e também para quem especula sobre o fim do período de Bear Market e compra, esperando a volta na alta dos preços.

 

Como se preparar para o Bear Market?

O primeiro cuidado que o investidor precisa ter é com a amplitude do movimento. Algumas pessoas observam o mercado cair e resolvem operar vendido em um momento em que os preços atingiram certo grau de estabilidade para voltarem a subir, o que pode fazer com que, seja você investidor iniciante ou não, deixe de obter a rentabilidade esperada e até mesmo tenha prejuízos com a operação.

Por isso, o primeiro passo é estudar os fundamentos do mercado e do ativo com que se está trabalhando. Outro fator importante é a proteção do seu capital em momentos de Bear Market. Para fazer isso é fundamental adotar a diversificação de investimentos, possibilitando que eventuais quedas em um segmento do mercado sejam compensadas por rentabilidade obtida em outros.

Também é fundamental dispor de uma boa reserva financeira em um título de alta liquidez, ou seja, que pode ser transformado em dinheiro em espécie em pouco tempo. Isso favorecerá a entrada em operações rapidamente, a fim de aproveitar toda a amplitude de um movimento, seja ele de queda ou alta.

Além disso, também é fundamental contar com o apoio de um banco de investimentos que disponibilize ao investidor, profissionais especializados no assunto para fornecer análises e dicas sobre as melhores alternativas de aplicações para momentos de queda no mercado, o que você pode utilizar pensando na rentabilidade da sua carteira, mas, especialmente, na proteção do seu patrimônio.

Também é importante que essa mesma instituição proporcione uma boa plataforma de investimentos, bem como plataformas de negociação profissionais, capazes de suportar todo o volume de ordens que serão enviadas em momentos de grande movimentação do mercado.

Agora que você já sabe o que é o Bear Market, as suas características e particularidades mais marcantes, bem como as formas de se preparar para ele, não perca mais tempo e comece a planejar as suas aplicações o quanto antes!

Para isso, abra a sua conta no modalmais e conte conosco para obter as melhores e mais estáveis plataformas do mercado financeiro, para realizar suas operações.

 

Nova call to action