Para quem está começando no mundo dos investimentos, ter insegurança é uma sensação muito comum. “Como saber qual a melhor maneira de investir?” é uma pergunta que ronda a mente dos iniciantes. E é por isso que o tripé dos investimentos pode ser a ferramenta que ajudará você a tomar boas decisões.

Mas para isso, você precisa, é claro, conhecer como ele funciona. Independentemente da forma como você vai atuar no mercado, é preciso saber quais são as bases que alicerçam o tripé dos investimentos.

Pensando nisso, fizemos este artigo para ajudar você a tomar decisões mais certeiras quanto aos seus investimentos. Continue a leitura e saiba mais sobre o assunto!

 

Afinal, o que é e para que serve o tripé financeiro?

O tripé dos investimentos, também conhecido como tripé financeiro, é um conceito difundido no mercado financeiro que tem como objetivo ajudar o investidor a entender os atributos principais de cada investimento e a avaliar se ele se encaixa em seus objetivos e necessidades.

O tripé financeiro é composto por três fatores: a liquidez, a segurança e a rentabilidade. Para saber mais sobre o que significa cada um deles, continue a leitura.

 

LIQUIDEZ
A liquidez corresponde a capacidade que uma aplicação tem de ser convertida em dinheiro em conta corrente, considerando a facilidade e o tempo que se leva para que isso aconteça.

Quando nos referimos à facilidade, podemos utilizar como exemplo determinada ação que não esteja recebendo muitas ofertas. Vender, ou mesmo comprar, uma ação que não recebe muitas ofertas, ou seja, que não está com muita liquidez, pode atrapalhar seus planos de sair de uma posição a qualquer momento.

Quando nos referimos ao tempo, podemos utilizar como exemplo, uma LCI (Letra de Crédito Imobiliário). Dos títulos de renda fixa, este é o que tem menos liquidez. Isso se dá pelo fato de que não há opções com liquidez diária como é o caso de, por exemplo, títulos públicos. No caso das LCIs, para que o recurso seja transformado em dinheiro em conta, é necessário aguardar o prazo de vencimento da aplicação, que é de no mínimo, 90 dias.

É interessante olhar esse ponto, principalmente se você for atuar como um day trader ou se você está querendo investir com mais flexibilidade, podendo resgatar o valor a qualquer momento.

Atentar-se à liquidez do investimento é indispensável, porém, se ela for o seu único critério na hora de selecionar investimentos, com certeza, poderá não ter o retorno esperado. Um exemplo prático disso é o Tesouro Selic. É um investimento de alta liquidez, mas que, atualmente, apresenta uma taxa de rentabilidade muito baixa, devido aos recentes cortes na taxa básica de juros, que vêm ocorrendo desde 2016.

 

SEGURANÇA
O mercado de investimentos é cheio de “lendas”, que causam muitas inseguranças nas pessoas. Muitos deixam de investir e aumentar o patrimônio, porque acham que o segmento financeiro é sinônimo de risco de perdas.

No entanto, você precisa entender que, a segurança – mais um pilar do tripé dos investimentos – que envolve o seu patrimônio, depende da composição dele, o que é influenciado diretamente pela escolha dos ativos que você insere em sua carteira, e do risco atrelado a cada um deles.

A intensidade de aversão ao risco é um dos principais fatores que determinam qual é o seu perfil de investidor. Mesmo que você tenha um perfil mais agressivo ou arrojado na hora de investir, é preciso avaliar o quanto você está disposto a se expor ao risco. Isso consequentemente ajudará você a dosar a exposição de seu patrimônio como um todo.

A exposição ao risco influencia diretamente em seus investimentos, um outro ponto do qual falaremos a seguir: a rentabilidade. Em geral, um investimento que, de certo modo, expõe você ao risco de grandes perdas, também tem mais chances de obter maiores resultados.

 

RENTABILIDADE
O ponto que os investidores mais tendem a valorizar é a rentabilidade de um ativo. Qual é o rendimento previsto? Há investimentos que oferecem percentuais de rentabilidade prefixados, há ainda os pós-fixados, onde a rentabilidade é atrelada ao desempenho de algum indicador econômico e ainda há as ações negociadas em Bolsa de Valores, onde o desempenho depende de uma série de fatores.

Quanto maior a rentabilidade, mais atraente o ativo se torna para o investidor. No entanto, a rentabilidade precisa ser analisada conjuntamente com o risco do ativo e a sua liquidez. Para quem está começando, uma dica super válida é optar pelos fundos de investimentos.

Cada fundo de investimento tem o patrimônio gerido por profissionais e tem políticas que indicam, não só os objetivos, mas também em quais segmentos o patrimônio será alocado, o que traz ao investidor uma noção quanto às rentabilidades que o fundo busca alcançar, bem como o nível de risco ao qual ele se expõe.

 

Quais são as principais vantagens dessa metodologia?

É claro que a forma que você vai aplicar a metodologia do tripé de investimentos depende, exclusivamente, de quais são os seus objetivos e o seu perfil de investidor. A intensidade que terá cada um dos pilares em sua carteira de investimentos, ou seja, o quanto cada um influenciará em suas escolhas, vai depender desses dois fatores.

Porém, são claros os benefícios dessa estratégia no mercado financeiro. A seguir, confira as principais vantagens do tripé dos investimentos.

CARTEIRA PERSONALIZADA
Ao definir seus objetivos, com prazos e metas, você saberá de fato:

  • O quanto, financeiramente, necessita ter para alcançá-los (rentabilidade);
  • A importância que cada um dos objetivos tem em sua vida, o que ajudará você a definir quanto vale a pena arriscar para elevar o patrimônio destinado a esse objetivo (segurança);
  • Quando necessitará resgatar esse recurso (liquidez).
    Investir em conhecimento fará com que você conheça as características dos produtos disponíveis no mercado financeiro, e saiba direcioná-los a cada um dos seus objetivos, o que levará você a ter uma carteira personalizada.

 

DECISÕES INTELIGENTES
A diversificação de investimentos é uma consequência de análises fundamentadas no tripé de investimentos. Encontrar um único produto, seja de renda fixa ou de renda variável, que seja capaz de fornecer os pontos fortes de todos os pilares do tripé dos investimentos – alta liquidez, baixo risco e alta rentabilidade – não é uma realidade no mercado financeiro.

Porém, isso é possível numa carteira de investimentos bem diversificada. A partir de decisões inteligentes, baseadas no conceito do tripé dos investimentos, consegue-se um equilíbrio entre os pontos fortes de cada ativo.

 

Como analisar cada fator do tripé dos investimentos?

A maneira como você vai analisar cada pilar do tripé de investimentos depende das suas metas e da maneira que você quer operar no mercado financeiro.

Assim como mencionamos, uma carteira personalizada leva em consideração alguns aspectos. Assim, o ponto de equilíbrio entre os três fatores é flutuante, pois considera quanto você tem para investir, quanto está disposto a perder, as suas expectativas de retorno, em qual prazo, além de quanto tempo você dispõe para fazer as operações.

A sua estratégia deve englobar essas particularidades para definir a representatividade de cada um dos fatores nas suas escolhas.

 

Quais são os erros comuns na análise de investimentos?

O principal equívoco na hora de escolher os seus investimentos é não aplicar a metodologia de análise dos fatores de liquidez, risco e rentabilidade. No entanto, outros aspectos também precisam ser observados. Confira abaixo quais atitudes você deve evitar para conquistar uma carteira de investimentos promissora.

 

AVALIAR SOMENTE UM DOS PILARES DO TRIPÉ
É comum a confusão de conceitos entre liquidez e rentabilidade, quando se está começando no mercado financeiro. No início deste artigo, você pôde conferir o que significa cada um desses conceitos e, com certeza, trabalhar com essas expressões não vai ser um problema para você.

Assim como a expressão equivocada induz ao erro, avaliar somente um dos pilares do tripé de investimentos leva a falhas na estratégia e o expõe ainda mais a resultados diferentes do esperado.

 

NÃO ACOMPANHAR A ECONOMIA
A performance do mercado financeiro está intimamente relacionada a economia do país. Acompanhe as notícias econômicas tanto do segmento interno quanto do mercado internacional.

Uma boa prática, interessante para filtrar o conteúdo a ser consumido e trazer qualidade às suas decisões, é conhecer quais são os setores que têm impacto direto no segmento dos ativos que você adquiriu.

 

NÃO APRENDER SOBRE INVESTIMENTOS DOS QUAIS NÃO INVESTE
Deixar de conhecer outros produtos, por mais que apenas na teoria, só porque não investe neles ou no segmento no qual ele atua, é outro equívoco comum. Conhecer o básico sobre os produtos disponíveis no mercado financeiro pode ajudar você a enxergar oportunidades e novas estratégias, que podem um dia vir a compor sua carteira e torná-la ainda mais robusta.

 

NÃO SE IMPORTAR COM A QUALIDADE DA PLATAFORMA
Praticidade na hora de investir faz toda a diferença. Pesquise as plataformas de negociação disponíveis no mercado. Existem opções com um design bem intuitivo que facilitam a vida de investidores novatos e até mesmo dos mais experientes.

Pense na experiência que você precisa ter na hora de acessar uma plataforma. Você quer operar do computador, tablet ou celular? A mobilidade deve ser considerada também.

 

DESCONHECER AS FINANÇAS COMPORTAMENTAIS
A matemática pode até ser exata, mas quando pensamos em finanças existe um fator que muda o comportamento do mercado: as pessoas. As finanças comportamentais analisam como o comportamento humano impacta decisões relacionadas aos investimentos e ao dinheiro em si.

Um exemplo prático, é a interferência do resultado de jogos de futebol. Um estudo publicado pelo periódico acadêmico The Journal of Finance mostrou que a derrota de um país impacta negativamente no comportamento dos investidores e na performance do seu mercado financeiro.

 

DEIXAR A APRENDIZAGEM DE LADO
Quando tratamos sobre investimentos o conhecimento é uma regra. Não estamos falando que você precisa saber tudo, mas que você deve estar disposto a aprender. Leia artigos sobre o assunto, acompanhe técnicas, verifique cases de sucesso e faça cursos online.

 

NÃO TER UM ASSESSOR DE INVESTIMENTOS
Um assessor de investimentos é um profissional especializado em mercado financeiro que pode ser o seu melhor amigo. Com a expertise dele, é possível consolidar uma carteira forte e aderente às suas expectativas de investidor.
Assessores licenciados atuam em parceria com importantes instituições de investimentos, como o modalmais.

 

NÃO ATUAR COM UM BANCO ESPECIALIZADO
Melhor do que investir com uma corretora é poder contar com um banco especializado em investimentos. Poder negociar as suas ações, investir em títulos públicos ou fundos de investimentos com apenas um clique é possível.

Além disso, você pode contar com os benefícios que só um banco digital oferece, como por exemplo ter acesso a uma conta digital e ainda contar com toda a segurança do FGC (Fundo Garantidor de Crédito). Isso significa que o seu saldo em conta está protegido em um limite de até R$ 250 mil por CPF.

Agora que você já sabe sobre o que é o tripé dos investimentos, as suas vantagens e como evitar erros comuns, o que acha de começar a aumentar o seu patrimônio? Em títulos públicos, por exemplo, você pode começar com menos de R$ 40 e ainda ter uma rentabilidade maior que a da poupança.

 

Se você gostou deste artigo, compartilhe-o em suas redes sociais. E para não perder nenhum outro conteúdo publicado em nosso site, assine a nossa newsletter gratuita.

Gostou desse conteúdo? Então compartilhe-a em suas redes sociais. E se ainda não é cliente modalmais, baixe o aplicativo do banco digital em seu smartphone, abra a sua conta de forma rápida e prática e aproveite mais essa vantagem que só o banco digital dos investidores tem a oferecer.