Ótima oportunidade para investidores com pequeno capital operarem no mercado futuro da B3. Os minicontratos são acordos de compra e venda de produtos, como moedas, juros, índices ou até commodities. São negociados na Bolsa de Valores e liquidados no futuro. Por isso, tratam-se de um contrato futuro.

 

Atualmente, no mundo dos investimentos, é comum ouvirmos falar de contratos futuros. Com o aumento da popularidade desses contratos, alguns destacaram-se mais, como no caso de minicontratos de dólar norte-americano e minicontratos de índice Bovespa.

Apesar de muito se falar e muito se negociar esses mini contratos – em um dia comum, a média do volume de negociação de mini índice (WIN) chegou a 14 MM e no mini dólar (WDO) a 3.300MM, no mês de outubro de 2019! – há muitos detalhes importantes para entendermos sobre esse mercado.

Para saber mais, continue neste artigo! Daremos foco principal aos seguintes tópicos:

  • O que são minicontratos?
  • O que são contratos cheios?
  • Como surgiu a negociação de contratos futuros?
  • Qual a diferença entre Contrato Cheio e Minicontratos?
  • Evolução da negociação dos minicontratos.
  • Quais vantagens de operar com minicontratos?
  • Qual é margem necessária para a negociação desses minicontratos?
  • Quanto custa 1 minicontratos ?
  • Quais os custos para operar minicontratos na B3?
  • Como começar a investir em minicontratos?
  • Qual a melhor plataforma para um trader de minicontratos?
  • Após operar, o que encontrarei na nota de corretagem?
  • Quais os riscos de operar minicontratos?
  • Por que negociar derivativos?

 

O que são minicontratos?

Os mini contratos são acordos de compra e venda de produtos, como moedas, juros, índices ou até commodities. São negociados na Bolsa de Valores e liquidados no futuro. Por isso, tratam-se de um contrato futuro.

Funcionam como um acordo entre ambas as partes, definindo o preço do ativo para o pagamento em uma data futura. Com eles, você pode investir pouco e ter chances de ganhar muito.

Os minicontratos equivalem a 20% do contrato cheio. Hoje são negociados no mercado brasileiro o mini índice e mini dólar.

Enquadram-se nessa categoria também opções e termos.

O que são contratos cheio?

Os contratos cheios são conhecidos como contratos futuros principais do Índice Futuro e Dólar Futuro ou contratos padrão. São acordos de compra e venda de um determinado ativo financeiro ou commodities, para uma data futura.

Negociam hoje, acordos para uma data futura, com a principal característica de ter ajustes diários para os clientes que permanecem posicionados.

Esses contratos cheio ou futuro são considerados derivativos*, ou seja, ativos que derivam de outros ativos. Os derivativos são instrumentos utilizados para operações de hedge (proteção), arbitragem e especulações.

É importante destacar também, que contratos futuros são padronizados, ou seja, seguem um padrão quanto ao valor, vencimento, tamanho e especificações técnicas de cada ativo (principalmente para os contratos agrícolas).

A negociação de contratos futuros pode ser feita através de contratos cheios, ou, minicontratos.

Como surgiram as negociações com contratos futuros?

Os contratos futuros existem há muito tempo. O seu primeiro registro oficial foi em 1848, na Chicago Board of Trader (CBOT), onde incialmente reunia os fazendeiros e comerciantes.

A primeira necessidade de criar o contrato futuro foi para padronizar, ou seja, criar padrões de quantidade e qualidade dos ativos negociados (inicialmente apenas agrícolas). O primeiro contrato futuro foi chamado de to-arrive contract (a entregar).

Logo, os investidores que, antes do contrato futuro, negociavam os grãos em si, viram através desse novo instrumento, uma alternativa mais prática de realizar suas operações.

Somente em 1973 a CBOT começou a negociar contratos futuros de ativos financeiros.
Hoje, a CME (Chicago Mercantile Exchange) é a bolsa onde existe o maior volume de negociação de contratos futuros, além da ampla variedade. Por lá, diversas commodities como barriga de porco, açúcar, lã, madeira, cobre são negociados diariamente.

No Brasil, a negociação de contratos futuros iniciou apenas em 1917, quando surgiu a Bolsa de Mercadorias de São Paulo. O primeiro contrato futuro negociado no Brasil foi de algodão.
O início da negociação de contratos financeiros no Brasil foi pela Bolsa Mercantil & de Futuros, em 1985.

Em 1991, as duas bolsas (Bolsa de Mercadorias de São Paulo e Bolsa Mercantil & de Futuros), firmaram um acordo, dando início assim à Bolsa de Mercadorias & Futuros. Com o crescimento dessa nova bolsa, em 1997 foi firmado um acordo com a Bolsa Brasileira de Futuros (BBF) e assim, a BM&F se consolidou como principal centro de negociação de derivativos da América do Sul.

Em 2001 foram criados os minicontratos, o que abriu espaço à participação do pequeno investidor. Inicialmente o mini índice tinha o nome de INF, chamado de Ibovespa Fracionário (cada ponto equivalia a R$0,30) enquanto o mini dólar era chamado de Dólar comercial fracionário, e seu código iniciava por DOM (com volume do contrato equivalente a US$5.000,00).

Qual a diferença entre Contrato Cheio e Minicontrato?

A diferença entre os contrato cheio e os minicontrato é o valor por contrato.

Exemplo:

Contrato Cheio do Índice Futuro (IND) 

Cotação: 59.900 | R$: 59.900

Lote padrão: 5 contratos

Valor financeiro à Futuro: R$ 299.500 (5 x R$ 59.900)

 

Mini Índice Futuro (WIN)

Valor: 1/5 (20%) do Contrato Cheio

Lote padrão: 1 minicontrato

Valor financeiro à Futuro: R$ 11.980

 

As cotações dos contratos Cheio e Mini são as mesmas em praticamente todo o decorrer do pregão. Eventualmente ocorrem pequenas diferenças pontuais de 5 ou 10 pontos que perduram por apenas poucos segundos.

Evolução da negociação dos minicontratos.

Em dezembro de 2004, a BM&F criou a plataforma operacional WebTrading (similar ao Home Broker), que possibilitava aos investidores negociarem minicontratos diretamente pela internet. O Home Broker foi lançado pela Bovespa em 1999 e, após 5 anos, 14,2% da negociação das ações era via HB.

Uma das principais vantagens do lançamento do WTr era a diminuição do custo para o investidor, que na época, era fixo em R$3,00. Hoje, no modalmais, já é possível negociar esses contratos com taxa ZERO.

Nessa época, para realizar operações via WTr era necessário depositar na corretora, uma margem inicial de garantia, definida pela B3, e logo após a operação, era depositada na BM&F. A margem inicial começava em 20% do valor do contrato, algo em torno de R$2.000,00 para operar cada minicontrato.

Em fevereiro de 2005, alguns meses após o lançamento do WebTrading, a BM&F alterou o código de negociação do minicontrato de índice de INF para WIN, com o valor de cada ponto equivalente a R$0,20. E ao final do mês de fevereiro de 2005 o código do dólar muda de DOM para WDL e, apenas depois, veio o atual código WDO.

Pelo WebTrading os investidores podiam negociar minicontratos de Ibovespa e Boi Gordo inicialmente, e em uma segunda fase foi liberado a negociação dos minicontratos de Dólar e Café.
O minicontrato de boi e café, que já não são mais negociados hoje, equivaliam a 10% do contrato cheio.

 

Modalmais revolucionando e inaugurando a era dos minicontratos futuros

Minicontratos com corretagem zero

Com o passar dos anos as corretoras foram se desenvolvendo quanto a plataformas de negociações, redução de margem para operações no daytrade e também, diminuindo o custo de corretagem. Gerando assim, a democratização e grande popularidade ao mercado de BM&F.

Em outubro de 2015, surge oficialmente o modalmais, com o principal objetivo de revolucionar o mercado para os traders. Sua primeira ação para isso, foi reduzir a corretagem para seus clientes. Além disso, para permitir ao trader começar com pequenos valores, o modalmais também iniciou sua jornada na redução de margens operacionais para os minicontratos: em julho de 2017 reduziu a margem no mini índice para R$120,00 e do mini dólar para R$140,00.

As plataformas de negociação também passaram por desenvolvimento, e em agosto de 2016 o modalmais lançou plataformas profissionais no DMA2. Alcançando assim o seu primeiro objetivo, que era revolucionar o mercado para o trader com corretagem e margem menor, além de oferecer plataformas profissionais de alto desempenho. Porém, foi apenas o início. Em abril de 2017, lançamos a primeira plataforma profissional gratuita do Brasil, o Tryd Trader.

No dia 25/09/2018, o modalmais marca a história do trader no Brasil e lança corretagem ZERO para os minicontratos e contratos cheios de dólar e índice.
Assim, pudemos ver que nos últimos anos o mercado de contratos futuros tem avançado muito, com o desenvolvimento de corretoras, para proporcionar a todos os traders, segurança, custos baixos, margem reduzida e plataformas profissionais e, claro, liquidez.

Aqui você consegue acompanhar cada passo da revolução dos traders nesse mercado! http://www.revolucaodostraders.com.br/

Códigos e vencimentos dos Minicontratos

Os contratos futuros possuem data de vencimento, e para cada vencimento existe uma letra de referência que compõem o seu código.

Os contratos de dólar vencem mensalmente (todo primeiro dia útil do mês), e o do Índice, o vencimento é a cada 2 meses, na quarta mais próxima do dia 15 (apenas nos meses pares).

As 3 primeiras letras do código de negociação, refere-se ao ativo:

Mini índice: WIN
Mini dólar: WDO
Dólar cheio: DOL
Índice cheio: IND

As 2 letras seguintes, referem-se ao mês de vencimento, conforme tabela abaixo:

codigo e vencimentos de mini contratos de índice e dolar

E o final do código é composto por 2 números, que se refere ao ano de vencimento do contrato.

entender codigo de mini indice e mini dolar

Quais vantagens de operar com minicontratos?

Os minicontratos possuem uma série de vantagens:

• Alta liquidez
Os minicontratos são ativos de alta liquidez, então o investidor consegue entrar e sair das operações facilmente, tendo um risco bem reduzido de não ter contraparte interessada quando desejar movimentar o ativo.

 

• Alavancagem
A B3, exige do investidor uma margem para negociar os contratos e minicontratos, sendo assim, não é necessário ter em conta todo o capital referente ao volume do contrato.
Para o Day Trade oferecemos uma margem reduzida ainda menor, possibilitando assim que o investidor consiga alavancar mais o seu capital.

 

• Diversificação
Com os contratos futuros de BMF, possibilita ao investidor mais opções para diversificar os seus investimentos. Você poderá aplicar facilmente em ativos atrelados à variação da moeda norte americana, por exemplo.

 

• Custo baixo (ou até mesmo grátis)
Hoje, no modalmais, você consegue investir em contratos cheio e minicontratos com custo ZERO!

 

Qual margem necessária para negociação desses minicontratos?

Para operar contratos futuros é necessário ter em conta o valor da margem, e não o valor financeiro do contrato. Ou seja, por essa margem ser menor que o valor do contrato, é possível, com esses instrumentos, alavancar o seu capital.

A margem de garantia é definida pela B3 e disponibilizada diariamente aos participantes do mercado. Porém, no day trade (operações de compra e venda no mesmo dia), as corretoras podem oferecer uma margem reduzida, já que a chamada de margem oficial da B3 ocorre apenas na liquidação das operações, ou seja, em 1 dia útil.

Hoje, o modalmais é a corretora que tem a menor margem reduzida do mercado! Para o Day Trade, essa margem poderá ser em financeiro, ou então em CDBs modal pós-fixados. Já para realizar posição nesses contratos, é necessário ter o valor total exigido pela B3, e são aceitos como garantia, ações com deságio, tesouro direto (títulos inteiros) e saldo financeiro.

Quanto custa 1 minicontratos ?

Confira os custos dos mini contratos disponíveis para investir na Modalmais

IBOVESPA

Tamanho do contrato: R$ 0,20 por ponto de índice
Cotação: definida pelos pontos do índice
Vencimento: meses pares

DÓLAR

Tamanho do contrato: US$ 10.000,00
Cotação: Reais por US$ 1.000,00
Vencimento: Todos os meses

 

Quais os Custos para operar minicontratos na B3?

Para operar contratos e minicontratos você terá que se atentar aos seguintes custos:

  • Corretagem
  • Taxas B3
  • Imposto de Renda

 

Corretagem

A corretagem é o valor cobrado pela sua corretora para enviar ordens para a bolsa. Ela é cobrada pela quantidade de contratos executados, independentemente da quantidade de ordens enviadas. Vamos a um exemplo:

Vamos supor que sua corretora tenha o valor de corretagem de R$0,25 por cada minicontrato executado, e em um pregão você compre 10, e venda 10 WIN. Ao final do dia, você terá o custo total de corretagem de R$5,00.

O modalmais, no dia 25/09/2018, marcou a história do mercado de minicontratos no Brasil, e foi a primeira corretora a disponibilizar corretagem ZERO para minicontratos.

Sendo assim, quanto ao primeiro custo você pode ficar tranquilo, que aqui você encontra os menores valores para fazer as suas operações.

 

Taxas B3

A B3 cobra duas taxas para operações em contratos futuros de índice e dólar: Emolumentos e Taxa de Registro.

Para contratos futuros os emolumentos são cobrados sobre a negociação do contrato (abertura ou encerramento).

Os valores são divulgados pelo site da bolsa (colocar o link), e muda de acordo com o ativo negociado. Porém, de acordo com o volume negociado por cada investidor, pode haver um desconto sobre essa tarifa.
Essas taxas são calculadas automaticamente pela bolsa, e você conseguirá acompanhar cada custo pela sua nota de corretagem!

Esse desconto é definido de acordo com faixas de negociação, apurado por todas as negociações feitas pelo CPF/ CNPJ do cliente. Para definir em qual faixa estará cada participante, é realizado o cálculo da média das negociações nos contratos que compõem o somatório da tabela nos últimos 21 pregões que antecedem a data de cálculo, inclusive. Esse cálculo é feito no último dia de pregão de cada semana e o custo médio unitário por contrato calculado será válido para todos os dias da semana seguinte.

Acesse aqui para analisar o desconto aplicado para cada faixa de volume de negociação.

Aqui também, você encontra o valor de taxas, por pregão e por ativo, divulgadas diariamente pela B3.

 

Imposto de renda

O imposto de renda incide sobre os lucros das suas operações. A alíquota é diferente para operações Day trade ou Swing trade.

No Day Trade, ou seja, para operações que foram abertas e encerradas no mesmo pregão, é cobrado 20% sobre o lucro, sendo que 1% já é retido na fonte. Então, o investidor tem a obrigação de gerar a DARF e pagar os 19% restantes até o último dia do mês subsequente ao período de apuração.

Já para operações Swing Trade, ou seja, que foram abertas, porém, não foram encerradas no mesmo pregão, a alíquota é de 15%, sendo que 0,005% sobre a soma algébrica dos ajustes diários (apenas quando positivo), apurado quando encerrar a operação (antecipadamente, ou apensa no vencimento), já fica retido na fonte. A soma do IRRF pode ser descontada também do imposto sobre ganhos líquidos apurados no mês.

 

Como começar a investir em minicontratos?

O primeiro passo para começar a operar minicontratos é ter a conta em uma corretora aberta. Antes de escolher a sua corretora, você deve analisar alguns pontos:

1. Qual valor de corretagem que ela me cobrará por ordem executada?
2. Qual o valor que a corretora exige como margem para o Day Trade?
3. Terei acesso a plataformas de profissionais?
4. Qual estabilidade da corretora?
5. Quais vantagens terei em abrir conta nessa corretora?

Para facilitar, já tenho essas respostas para você:

1. No modalmais a corretagem é ZERO para contratos cheios e minicontratos de dólar e índice.
2. No modalmais você encontrará a menor margem reduzida do mercado.
3. Sim, aqui você encontrará as maiores plataformas de negociação profissionais, além do que, temos plataformas em DMA2 e DMA4, para você ganhar velocidade em seus trades.
4. Temos uma infraestrutura preparada para grandes volumes de negociação, além do que, temos diversas plataformas gratuitas disponíveis para você, então, caso enfrente qualquer instabilidade com uma plataforma, poderá utilizar uma de nossas outras.
5. Além de oferecer os menores custos e melhores plataformas, o modalmais também é um banco digital! Então, você terá funcionalidades diferenciadas, como por exemplo um cartão de débito, pagamento de contas direto da conta onde realiza suas operações.

Para começar a operar, após abrir sua conta com a gente, siga as orientações neste artigo que preparamos especialmente para você.

Qual a melhor plataforma para um trader de minicontratos?

Antes de começar operar com mini contratos é bem importante que o trader escolha a melhor plataforma para o tipo de estratégia que procura. Ao analisar isso, deve-se observar:

  • Quais funcionalidades da plataforma?
  • Qual a velocidade de envio de ordens pela minha plataforma?
  • Qual a estabilidade da minha corretora, com essa plataforma?
  • Qual custo terei com a minha plataforma?

Pensando no trader, o modalmais oferece as melhores plataformas, com melhores custos do mercado:

  • MetaTrader 5 + DMA4
  • Tryd Pro + DMA2
  • Tryd TRader + DMA2
  • Profitchart Pro + DMA2
  • Profitchart RT + DMA2
  • Chart Trading + DMA2
  • Protrader (desktop, MAC e Web)
  • Modal Trader
  • Modal Investidor
  • SmarttBot

Aqui você poderá conhecer um pouco mais sobre cada plataforma, e escolher a que melhor se encaixa a você!

Descubra por que o modalmais é o melhor lugar para um trader investir em mini contratos.

Após operar, o que encontrarei na nota de corretagem?

Após realizar suas operações, você pode acompanhar seus resultados e custos ao consultar a nota de corretagem. Ela representa o extrato diário e detalhado das suas operações no mercado de Bolsa de Valores. Além disso, esse documento aponta os dados necessários para declaração dos seus investimentos na Bolsa de Valores. Para saber mais, visite o artigo que preparamos sobre o assunto.

Quais os riscos de operar minicontratos?

Por se tratar de instrumentos de renda variável, o mercado de contratos futuros envolve riscos. Os principais são:

• Volatilidade: Os preços dos ativos de renda variável são bem voláteis e podem variar de forma brusca e rápida. O motivo é que este mercado é muito sensível às expectativas, notícias de cunho político, econômico, além de eventos e acontecimentos a nível global, dentre outros.

• Financeiro: Os contratos futuros têm preços reajustados diariamente, com base nas movimentações ocorridas no dia de negociação anterior. Caso, em dado momento, os ajustes diários sejam muito bruscos e você esteja posicionado, as margens depositadas como garantias, também podem ser alteradas pela bolsa sem prévio aviso.

• Sistemas: Para operar no mercado de bolsa, deve-se levar em conta fatores físicos, em especial os riscos atrelados à sistemas de informação. Por mais que as plataformas de negociação estejam cada vez mais seguras e avançadas tecnologicamente, todas ficam sujeitas às oscilações de rede (internet), energia, etc.

Por que negociar derivativos?

Como citado, os derivativos são instrumentos utilizados para operações de Hedge, arbitragem e especulação.

Na estratégia de Hedge, o investidor utiliza os derivativos como instrumento de proteção, e assim, assume uma posição no mercado futuro inversa ao mercado à vista.

Vamos supor que um produtor de soja deseje proteger sua produção até a data da colheita. Ele pode se proteger comprando contratos futuros de soja, e assim, terá hoje o seu preço definido, não sofrendo com a volatilidade do mercado.

Ou então, uma empresa que tem sua receita em dólar, porém, seu custo em reais. Vamos supor que essa empresa irá receber o valor de uma venda apenas em 30 dias, isso quer dizer que ela ficará exposta a volatilidade da taxa de câmbio do período. Como ela irá receber o valor em dólar no futuro, se hoje ela vender contratos de dólar em BM&F, ela estará protegendo sua posição, pois caso o dólar venha a se desvalorizar, por mais que ela receba uma quantia menor da sua receita, ela teria compensado com o ganho que teria recebido em BM&F.

Já o arbitrador é o investidor que, com base em suas análises, busca obter lucro pelas distorções do mercado. Para fazer a arbitragem, ele sempre estará comparando dois ativos, pode ser: um ativo em mercados diferentes, vencimentos diferentes, ou ativos distintos, porém, que tenham correlação.

O especulador é o investidor que mais assume risco: ele busca com os derivativos alavancar o seu capital. Ele tem papel fundamental no mercado, já que suas operações geram liquidez aos ativos.

Conclusão

Os minicontratos são ativos de alta liquidez, então o investidor consegue entrar e sair das operações facilmente, tendo um risco bem reduzido de não ter contraparte interessada quando desejar movimentar o ativo.

A B3, exige do investidor uma margem para negociar os contratos e minicontratos, sendo assim, não é necessário ter em conta todo o capital referente ao volume do contrato.

Para o Day Trade oferecemos uma margem reduzida ainda menor, possibilitando assim que o investidor consiga alavancar mais o seu capital.

Com os contratos futuros de BMF, possibilita ao investidor mais opções para diversificar os seus investimentos. Você poderá aplicar facilmente em ativos atrelados à variação da moeda norte americana, por exemplo.

Hoje, no modalmais, você consegue investir em contratos cheio e minicontratos com custo ZERO!

 

Leia também:

Mini índice : O que são e como operar

Mini Dólar: O que é e como operar